quarta, 19 de dezembro de 2018
Paralímpicos
Compartilhar:

Cícero Valdiran comemora 4º lugar na Paralimpíada e já traça novas metas

Allan Hebert e Raniery Soares / 19 de setembro de 2016
Foto: Rafael Passos
A tão sonhada medalha não veio nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, mas Cícero Valdiran concluiu sua participação na competição com o sentimento de dever cumprido. Em sua primeira Paralimpíada, o paraibano de Igaracy, no Vale do Piancó, terminou a prova do lançamento de dardo F56/57 na quarta colocação, com a marca de 42.90 m, ficando a 37 centímetros da medalha de bronze.

Cícero, que é recordista mundial da prova na classe F43, com 41.73 m, para quem tem amputação ou comprometimento similar abaixo do joelho, teve que mudar de classe poucos meses antes da competição, já que ela não estava no programa paralímpico. Até por isso, o atleta comemorou bastante o seu resultado.

"Foi um quarto para mim que pode ter certeza que valeu mais que um primeiro. Fui para essa competição com menos de um ano de treinos nessa categoria, então, estou muito feliz. Os caras que ficaram no pódio já vem num ciclo de oito, 12 anos e eu consegui chegar em quarto entre 14. Isso para mim já é uma grande vitória", disse o paratleta de 24 anos, que completou:

"Para ser sincero, eu não pensava em disputar essa Paralimpíada. Mas a convocação veio e foi uma experiência fantástica. Acho que é o sonho de todo atleta disputar uma competição como essa em casa, diante de sua torcida, então, não tem dinheiro, não tem medalha, não tem nada que pague isso", contou.

O atleta, que é natural de Igaracy, no Sertão paraibano, agora só quer saber de férias. Há muito tempo sem rever a família, ele afirmou que pretende passar 20 dias descansando em sua terra natal.

Mundial em Londres é o foco

Sem tempo a perder, Cícero Valdiran já traçou algumas metas para o futuro na modalidade. A primeira delas é disputar o Mundial Paralímpico do ano que vem, em Londres, na Inglaterra. Assim que voltar das férias, o atleta inicia os treinamentos de olho na competição internacional.

"Ano que vem tem o Mundial e, pode ter certeza, que vou me preparar muito bem, treinar pesado e vou brigar com eles de igual para igual. Minha meta é lançar na casa do 45 metros, marca que me deixaria na briga por uma medalha", revelou o atleta.

Relacionadas