quinta, 21 de janeiro de 2021

Olimpíadas
Compartilhar:

Tocha Olímpica emociona em João Pessoa

Aline Martins / 03 de junho de 2016
Foto: Assuero Lima
Trechos das músicas, “Minha cidade é onde o sol nasce primeiro. Cartão postal do mundo inteiro. Jardim do astro rei madrugador...” e “Convidei comadre Sebastiana pra cantar e xaxar na Paraíba...”, composições de Nino e Luiz Gonzaga, respectivamente, foram entoados pelo cantor e compositor paraibano Liss Albuquerque – o primeiro a conduzir a tocha olímpica em João Pessoa, nesta sexta-feira (03). A emoção o fez quebrar um pouco o protocolo e com isso animar várias pessoas, mesmo embaixo de muita chuva, que acompanharam o percurso da Casa da Pólvora até o adro do Centro Cultural São Francisco, no bairro do Varadouro.

Diversas pessoas, entre crianças, adultos e idosos, aguardavam ansiosas pela tocha olímpica que passa pela segunda vez em solo pessoense, quase nove anos depois. Ela foi acessa pontualmente às 13h, na Casa da Pólvora, e conduzida por Liss Albuquerque até o adro do Centro Cultural. No momento que a tocha foi acesa houve muitos aplausos. A emoção tomou conta, e o cantor e compositor, soltou a voz com refrões de músicas que representam a Capital paraibana e o nosso Estado. E ele não cantou só, quem acompanhou o percurso também cantarolou.

Liss Albuquerque informou que tem um trabalho que une o social com o cultural e que ajuda a resgatar jovens e pessoas carentes da situação de vulnerabilidade. “Isso foi muito importante porque essa foi a referência que me foi dada através da Prefeitura de João Pessoa para esse convite”, comentou.

O cantor e compositor também falou da emoção de conduzir a tocha olímpica. “Nem tenho palavras porque eu gostaria até de falar que a chama – que é um significado diria da união entre os povos, do compartilhamento – que ela sirva de exemplo porque o Brasil está vivendo uma situação tão difícil. Que sirva de exemplo para melhorar essa situação na nossa democracia, o estado democrático de direito de todo mundo. “Eu acho que é um momento de paz e fraternidade entre os povos”, frisou. Ele passou o fogo da tocha para o estudante de Design Mateus Rocha, no adro do Centro Cultural e em seguida, na frente da catedral Basílica de Nossa Senhora das Neves, para Stanley.

“Eu quero representar. Quero dizer que a nossa cultura, o nosso forró, a nossa identidade cultural em João Pessoa e não só em João Pessoa, mas na Paraíba inteira para que isso seja mostrada para o Brasil através de um simples gesto de humanidade”. Liss Albuquerque – cantor e compositor

O secretário adjunto de Juventude, Esporte e Recreação da Capital (Sejel), Oscar Moura, esteve na cerimônia que acendeu a tocha em solo pessoense. Ele comentou que desde março deste ano, a gestão municipal, se prepara para esse grande momento para a cidade. O planejamento contou com o apoio de várias secretarias e autarquias como Semob (Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana), Emlur (Autarquia Especial, Municipal de Limpeza Urbana) e Guarda Municipal. Ele destacou que essa foi a segunda vez que a cidade recebe a tocha olímpica.

“É o sinal que a olimpíada está chegando no Brasil, a partir das cidades. João Pessoa como sempre é uma pioneira em receber esse evento e fazer um atrativo para as pessoas que gostam muito de esporte. Então é muito importante a gente ter a tocha aqui para poder incentivar a prática desses esportes aqui na Capital. Nós somos a secretaria de Esportes e o dever nosso é trazer isso aqui e mostrar a criança a importância de cultivar a prática esportiva em João Pessoa”. Oscar Moura – adjunto da Sejel

População acompanha percurso

Esta é a segunda vez que a dona de casa, Valdicelia Francelino, 39 anos, vê uma tocha olímpica, sendo a primeira em 2007. Ela disse que se sente feliz em poder ver novamente. “É um momento histórico para nossa cidade. Eu acompanhei pelas tevês e já disse que viria ver aqui na cidade. Moro pertinho e sei que é uma emoção porque já senti da outra vez que ela passou na cidade”, destacou. Ela levou os dois filhos e um colega deles.

O estudante Robson Braga, 15 anos, também foi um dos que acompanhou o percurso da tocha olímpica. Ele contou que gosta muito de esporte e que na escola pratica voleibol e futsal. “É a primeira vez e fiquei surpreso em saber que ela ia passar tão perto da minha casa. É muito importante para nossa cidade”, comentou.

Tocha apaga algumas vezes

Em alguns momentos do percurso na área central da Capital, a tocha olímpica se apagou e foi substituída. Ontem chovia muito na Capital e mesmo assim muitas pessoas acompanharam sem desanimar.

 

 

Relacionadas