segunda, 12 de abril de 2021

Olimpíadas
Compartilhar:

Paraibanos falam sobre perspectivas para Tóquio-2020

Raniery Soares / 15 de agosto de 2016
Foto: Christian Petersen/AFP
Os Jogos Olímpicos Rio 2016 ainda não acabaram, mas a comunidade esportiva já começa a trabalhar, com a perspectiva das novidades que Tóquio-2020 já está reservando. No início do mês, logo após a abertura da atual olimpíada, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou a entrada de seis novos esportes, onde a Paraíba tem boa representatividade no cenário nacional em três deles: surf, skate e karatê.

As outras modalidades aprovadas são a escalada, além do beisebol e softbol que retornam ao cenário olímpico após de serem excluídos desde Pequim-2008.

Na extensa lista dos esportes que estavam pleiteando uma inserção nos Jogos Olímpicos, acabaram ficando fora modalidades conhecidas como futebol americano, xadrez e corrida de orientação.

O presidente do júri que escolheu os novos esportes, Fujio Mitariai, afirmou em entrevista que os fatores levados em consideração pelo COI para a escolha foram “se o esporte tem o apoio da nova geração” e “quão grande é a população deste esporte em todo o mundo?”.

Os paraibanos comemoraram a inclusão dos esportes para 2020 e alguns até já sonham com uma participação no maior evento esportivo do planeta.

Surf

Celeiro até de campeões mundiais, a exemplo de Fábio Gouveia, a Paraíba está animada com a transformação do surf em esporte olímpico. Pelo menos esta é a declaração do vice-presidente da FPBSurf, Wagner Oliveira, que além de destacar nomes do surf nacional como Gabriel Medina e Adriano de Souza (ambos campeões mundiais) não deixou de fora o nome dos paraibanos nesta briga.

Segundo ele, apesar das melhores expectativas, o cenário do surf no país ainda não está tão por dentro de como o esporte será gerido como olímpico a partir de agora. Ele também adiantou que se ele for executado por categorias, assim como acontece atualmente, a Paraíba desponta com boas chances.

Surf Jonas-Marretinha-PB_Foto Eros Sena 3

“A expectativa é a melhor possível. Esta notícia foi muito positiva, até porque podemos dizer que o Brasil é a casa do surf e não só do futebol. Se a competição acontecer como já somos acostumados, dividida por categorias, a Paraíba tem grandes nomes. A nossa lista é muito extensa, por isso fica até difícil eleger um ou outro numa resposta como essa”, comentou.

Wagner ainda destacou a importância da transformação do esporte em olímpico, no sentido de financiamento e bolsas direcionadas aos atletas. Para o dirigente, o pensamento é que agora haverá um maior investimento em quem já compete, como também na formação de atletas nas categorias de base, através de escolinhas e projetos sociais.

“Enquanto esporte, posso afirmar que o surf vai ser mais bem visto a partir de agora. Os títulos mundiais nos ajudaram nisso, mas com o esporte se transformando em olímpico algumas verbas e recursos poderão ser angariados, seja através de patrocínios da iniciativa privada, como financiamentos por parte dos poderes públicos. Quando mostrarmos os títulos, teremos bolsas e é uma das coisas que mais almejamos, tendo em vista a deficiência de patrocínio que ainda temos. Que esta mudança venha trazer benefícios também para as entidades de surf”, afirmou Wagner.

Skate

Jason

Nos últimos tempos, a Paraíba tem conseguido se transformar na sede de grandes eventos do skate nordestino e até mesmo brasileiro. Um dos atletas que movimentam esta cena é Jason Alexander, uma das referências do esporte no Estado. Logo quando surgiu a notícia do Comitê Olímpico Internacional (COI), ele fez uma publicação na sua página, através da rede social Facebook, sobre o seu posicionamento em relação a transformação do esporte em olímpico.

“Sabemos que o skate nos últimos 10 anos tem ocupado um grande espaço e atraído as grandes corporações, isso é ruim? Não, temos visto grandes movimentações de bilhões na indústria do skate, mas, ainda existe quem acredita que o skate é underground, há muito tempo deixou de ser, ou você acha que as empresas de skate (underground) não lucram com isso? O skate nunca vai deixar de ser skate em sua essência, isso é fato, o skate sempre será uma grande ferramenta social e de superação, terapia, moda, música etc. Com esse novo momento vai abrir mais um leque, para quem quiser seguir esse sonho ou não. Eu sei que quero andar de skate sempre”, declarou.

Karatê

“Não tinha a mínima condição do karatê não entrar nesta edição das olimpíadas”. A declaração do sensei José Targino, que sempre tem atletas com boas participações em competições regionais nacionais, é animadora. Desde quando o nome do esporte entrou na lista do COI, ele já comemorava de forma antecipada, garantindo que não havia possibilidade da modalidade ficar fora.

“Nada mais oportuno, afinal o karatê estará nas olimpíadas exatamente no país em que foi originado. Isso amplia a nossa responsabilidade, pois agora todos estarão com as atenções voltadas para as competições que garantem vagas para Tóquio-2020”, disse Targino.

Karatê Esportivo Copa Brasil_Norte Nordeste_240415RafaelPassos 08

Outro que comentou de forma positiva sobre esta novidade foi o presidente da Federação Paraibana de Karatê Interestilos (FPBKI), Jocimar Freitas. Segundo ele, o nível do karatê praticado no Estado conseguirá espaços ainda melhores no cenário nacional do esporte.

“Temos faixas pretas e também de outras graduações, que nos orgulham com as conquistas que alcançam em competições nacionais e até internacionais. A expectativa é a melhor possível e com o nível que já temos aqui [na Paraíba], com certeza outros espaços serão ocupados por nós”, afirmou.

Relacionadas