terça, 19 de janeiro de 2021

Esportes
Compartilhar:

Marcelinho Paraíba aparece no BID da CBF e pode atuar no ‘Clássico Tradição’

Marques de Souza / 13 de abril de 2017
Foto: Antonio Ronaldo
“Marcelinho Paraíba está liberado para jogar”. Essa foi a frase mais comemorada pelo torcedor alvinegro na tarde de ontem. O jogador, que teve seu nome publicado no BID, da CBF, após polêmica na justiça, é presença garantida na equipe titular do técnico Celso Teixeira. O treinador, que comemorou a volta do atleta, porém, vai ser obrigado a fazer mudanças. Uma peça terá que sair do meio-campo que venceu o Auto Esporte (2x0) no último domingo. Mas o que muda com a volta de Marcelinho?

O time ganha mais poder ofensivo. Nos últimos jogos, Patrick Mota, Dedé, Roger Gaúcho e Jean Carlo formaram o quarteto no meio-campo. Com a entrada de Marcelinho, o ataque passa a ser ainda mais abastecido, além da possibilidade de passes a curta e longa distância. Jean Carlo deve ser sacado. A equipe ganha também uma alternativa para a bola parada. Com a saída de Ferreira, suspenso por cartão amarelo, Marcelinho pode ser o responsável pelas cobranças diante do Belo.

Outro detalhe importante é o poder de desmontar a marcação adversária. Referência da equipe, Marcelinho é sempre muito visado pelos jogadores rivais que dão atenção especial à marcação no meia e, com isso, acaba abrindo espaço na intermediária ofensiva. O técnico Celso Teixeira comemora a presença do atleta na equipe. “Eu fiquei feliz. É um jogador importante para qualquer equipe. A gente cobra demais do Marcelo. Ele está jogando aqui, em uma equipe da Paraíba. É uma satisfação ter um jogador desse naipe na nossa equipe, no Treze. A ausência dele nos fez muita falta. É um dos líderes do grupo, um líder positivo”, disse.

O próximo desafio do Galo é contra o Botafogo-PB, em João Pessoa. Já classificado, o resultado na capital vai definir a posição do time na tabela de classificação e o adversário da próxima fase. Terceiro colocado, com 26 pontos, o time pode enfrentar o rival Campinense nas semis, ou reeditar o clássico contra o Belo.

Relacionadas