terça, 12 de dezembro de 2017
Campinense
Compartilhar:

Registro da chapa liderada por Carlos Gonzaga é indeferida pela Comissão Eleitoral

Allan Hebert / 21 de novembro de 2017
Foto: Antonio Ronaldo
CG esportes Carlos Gonzaga registra candidatura no Campinense 091117 - Antonio Ronaldo
A polêmica eleição que vai escolher o presidente do Campinense para o biênio 2018/2020 teve mais um capítulo ontem. Em entrevista coletiva realizada no CT Renatão, a comissão eleitoral que está cuidando do pleito confirmou o indeferimento da chapa intitulada “Um Novo Tempo”, encabeçada pelo empresário Carlos Gonzaga.

A decisão da comissão eleitoral seguiu o posicionamento da 4ª Vara Cível de Campina Grande, que já havia derrubado a liminar que permitia o registro da candidatura da chapa de oposição.

De acordo com a decisão da juíza Audrey Kramy Araruna Gonçalves, há irregularidades na filiação de Carlos Gonzaga como sócio do clube e débitos financeiros, o que causa o impedimento de sua candidatura.

Com a decisão da comissão eleitoral, lida pelo presidente Eder Medeiros, pelo menos por enquanto a chapa “A Força do Trabalho”, que tem a frente o atual presidente William Simões, não vai ter adversário nas eleições marcadas para o próximo dia 03.

Resposta rápida. A chapa de Carlos Gonzaga agiu rápido e também solicitou à comissão eleitoral a impugnação da candidatura do atual presidente William Simões. Os oposicionistas alegam que o mandatário não pode concorrer porque não prestou contas dos dois últimos anos da gestão, como é obrigatório segundo o artigo 119 do estatuto do clube.

O requerimento será entregue a comissão eleitoral. A oposição também reclama que o edital da eleição não foi publicado no prazo de 60 dias antes da data prevista ao pleito, infringindo assim mais uma vez o estatuto do clube.

Por hoje, só uma chapa

Pelas declarações da comissão eleitoral, todos os prazos referentes à registro de chapas estão esgotados e por isso, nos próximos dias, a expectativa é para que apenas o nome do atual mandatário William Simões seja confirmado para a disputa, sendo candidato único, repetindo o mesmo cenário das duas últimas eleições.

Porém, Eder Medeiros não descarta que novos ‘episódios judiciais’ possam acontecer, após a impugnação da candidatura do grupo de oposição.

“Se esta judicialização for confirmada, infelizmente só quem perde é o Campinense. Estamos às vésperas de um campeonato paraibano, onde o time precisa se sair bem para novamente conquistar espaço no cenário nacional e vemos que as pessoas não estão preocupadas com isso, mas sim por esta briga desenfreada pelo poder”, disse o presidente da comissão eleitoral.

Impugnação de William

Eder Medeiros adiantou que até a noite desta segunda-feira (20), ainda não havia recebido nenhum pedido de impugnação da chapa de situação, representada por William Simões. Porém, o presidente da comissão eleitoral já adiantou o seu posicionamento e garantiu que caso o pedido chegue, ao invés de devolver o ofício – pois segundo ele, a comissão eleitoral não pode julgar prestações de contas – vai encaminhar para os conselhos fiscal e deliberativo do rubro-negro, para que os dois setores possam responder a alegação do grupo oposicionista.

“Nós não podemos responder por prestações de contas, mas já conversei com os meus pares da comissão e ficamos acertados de que, caso o pedido chegue, vou fazer um documento de próprio punho, pedindo que o conselho fiscal e o deliberativo se pronunciem quanto a estas acusações da chapa de oposição”, comentou.

Relacionadas