domingo, 17 de janeiro de 2021

Campinense
Compartilhar:

Nova decisão judicial coloca novamente Carlos Gonzaga na disputa pela presidência

Da Redação / 23 de novembro de 2017
Foto: Antonio Ronaldo
CG esportes Carlos Gonzaga registra candidatura no Campinense 091117 - Antonio Ronaldo
Para quem pensava que a polêmica novela envolvendo as eleições para presidência do Campinense estava perto do fim, se enganou. Nesta quarta-feira, a chapa de oposição – encabeçada pelo empresário Carlos Gonzaga – conseguiu na justiça, uma decisão do desembargador Tércio Chaves de Moura, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, para que a candidatura de Gonzaga possa ser mantida.

Esta decisão veio assim que o grupo oposicionista anunciou o nome de Erivaldo Ferreira como novo candidato.

A celeuma deste processo eleitoral começou desde a inscrição das chapas, quando a comissão eleitoral questionou a legalidade de alguns nomes da oposição. Carlos Gonzaga e seu grupo conseguiram registrar a candidatura, graças a uma liminar concedida pela juíza Audrey Kramy Araruna Gonçalvez, da 4ª Vara Cível de Campina Grande.

Depois, os atuais mandatários da Raposa – comandados pelo candidato à reeleição, William Simões – conseguiram derrubar a liminar e indeferir o registro da chapa de oposição.

Neste novo episódio, o desembargador Tércio Chaves novamente devolveu a Carlos Gonzaga, a oportunidade de disputar a eleição do Campinense sendo candidato à presidente do grupo de oposição.

“Concedo a tutela de urgência para determinar que o promovido acolha, de imediato, a transferência do Título de Sócio Patrimonial do Sr. Bernardino da Silva Neto em favor do promovente, e todos os direitos inerentes, bem como possibilite a este ingressar no pleito eleitoral da Diretoria do Campinense Clube para o biênio 2018/2019”, disse o magistrado em sua decisão.

Agora, a comissão eleitoral terá 15 dias para contestar a decisão e apresentar novas informações à justiça. Porém, caso a decisão em favor de Gonzaga seja descumprida, o desembargador Tércio Chaves impôs uma multa diária de R$ 200, até o limite de R$ 20 mil.

Relacionadas