quarta, 27 de janeiro de 2021

Campinense
Compartilhar:

Derrota para o Belo não foi bem vista na Raposa

Marques de Souza / 07 de abril de 2017
A derrota para o Botafogo-PB não foi bem digerida no Campinense. Após a eliminação na Copa do Nordeste, a intenção era vencer para retomar a boa fase, mas o revés no Clássico Emoção freou os planos raposeiros. O técnico Ney da Matta, porém, viu pontos positivos na atuação. “A entrada do (Fábio) Gama ajudou muito, do Alex (Travassos) também”, disse.

Para o treinador, a “paciência” deve ser trabalhada pela equipe nesse momento. “Nós criamos, infelizmente as coisas não deram certo. Temos que continuar trabalhando. Na nossa profissão, o amor e o ódio andam colados”, desabafou. Como já não será mais possível brigar pela primeira colocação no estadual, o treinador ainda não definiu se irá poupas os atletas nessas duas rodadas que faltam. A pressão, no entanto, começa a assombrar. Nos três jogos em que o treinador estava no banco de reservas da Raposa, foram duas derrotas. O culpado? De acordo com Ney é a falta de tempo.

“Você acaba não trabalhando, não tendo tempo para ajustar. Mas eu vejo que o time tem jogado bem. Nós não estamos conseguindo vencer, mas alguns ajustes precisam de tempo. E nós não estamos tendo”, concluiu. Uma das medidas para mudar esse quadro vai ser uma atenção maior à defesa. O planejamento da comissão técnica é proteger mais o setor defensivo, e isso pode incluir até uma mudança tática, caso o técnico incorpore alguma peça à frente do setor.

A maratona de jogos preocupa. Nos últimos sete dias, foram três jogos. Dois pelas quartas da Copa do Nordeste, e um pelo Campeonato Paraibano. “O importante é classificar. A gente está sempre em sinal de alerta. A gente veio em uma maratona de jogos, é normal sentir. Temos que erguer a cabeça e ir pra frente”, concluiu o meia Jussimar. Sem tempo para lamentar, o Campinense já se organiza para o próximo desafio que será no sábado, contra o CSP, no Almeidão, em João Pessoa.

Relacionadas