quinta, 15 de abril de 2021

Futebol
Compartilhar:

Esporte de Patos e CSP esperam julgamento no STJD nesta sexta-feira

Franco Ferreira / 12 de abril de 2019
Foto: Divulgação
A decisão do Campeonato Paraibano de 2019 caminha a passos largos, faltando apenas três partidas para se conhecer o campeão. Mas, em relação ao rebaixamento de um dos times ainda continua incerto, e poder ser decidida Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Esporte de Patos e CSP esperam julgamento no STJD, nesta sexta-feira (12), para saber que cai para a Segundona.

Acusado de ter utilizado de maneira irregular o atacante Carlos Caaporã, o Esporte de Patos será julgado e caso seja punido perderia três pontos. Com isso, o time cairia para a última colocação na classificação geral, ficando com sete dos dez pontos que conquistou, agora, caindo para o último lugar. Sendo assim, o CSP, que somou oito, pontos escaparia do rebaixamento.

De acordo com a notícia de Infração disciplinar, o Esporte na ultima partida pelo Campeonato Paraibano, teria escalado o atacante Carlos Caaporã, que teria de cumprir suspensão imposta pela Justiça Desportiva. O Esporte perdeu para o Nacional de Patos por 3 a 1, neste jogo. O clube patoense está incurso no artigo 214 do CBJD.

O artigo 214 afirma: “Incluir na equipe ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta que não tenha condição legal de participar de partida, prova ou equivalente”. A perna determina: “perda do dobro do número de pontos previstos no regulamento da competição para o caso de vitória e multa de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 10.000,00 (dez mil reais)”.

O presidente do Esporte, Davi de Sousa, preferiu não falar sobre o assunto e não falou se vai mandar advogado para defender o clube. “Não sei que caso é este. Não estou acompanhando”, afirmou o dirigente. Mas, o ex-gerente de futebol do Esporte, Marcos Nascimento, que também foi treinador do time, espera que o clube não seja punido.

O presidente do Conselho Deliberativo do CSP, Josivaldo Alves, garantiu que vai acompanhar de perto o caso e que seu clube terá um advogado para brigar pelo direito. “Estamos lutando pelo respeito. O CSP respeitou a regra ficando no último jogo sem Inha e Henrique, que estavam suspensos. Por isso, queremos a verdade por parte da justiça”.

 

Relacionadas