segunda, 20 de maio de 2019
Futebol
Compartilhar:

Análise mostra desempenho em ‘queda livre’ do Botafogo na série C

Amauri Aquino / 31 de agosto de 2017
Foto: RAFAEL PASSOS
A vertiginosa queda de rendimento do Botafogo na Série C pode ser constatada nos números da campanha. O resultado negativo no último domingo (27) , quando perdeu para o Confiança, em casa, por 2 a 1, representou acima de tudo o atual momento do alvinegro: o time hoje, treinado por Ramiro Souza, está na oitava posição. A diferença para o nono colocado é a menor, desconsiderando a segunda rodada, quando o time da Maravilha do Contorno esteve na nona posição.

Atualmente amargando a oitava posição, o Belo está com 17 pontos, mesmo número de pontos do Moto Club - primeiro da zona de rebaixamento. É que a diferença é apenas no critério de número de vitórias, já que o Belo tem uma vitória a mais do que o time maranhense, 5 a 4, respectivamente.

No auge do Botafogo na Série C do Campeonato Brasileiro, àquela velha e boa “gordura” adquirida no G-4 chegou a ser de 9 pontos, na 7ª rodada, após a vitória por 1 a 0 sobre o Confiança, fora de casa, no dia 24 de junho. Depois, derrota para Asa e Sampaio, era o fim do primeiro turno e o início da derrocada alvinegra.

Foi neste momento que as coisas desandaram. Sem nenhuma folga a superior a oito dias, a semana que antecedeu a primeira rodada do returno foi marcada pelo segundo pacotão de reforços. De uma só vez o clube apresentou o lateral Bruno Costa e o zagueiro Jonas, além do atacante Jorginho e o lateral direito Rafael Cruz, os dois últimos não fazem mais parte do elenco.

Ao término da 9ª rodada, o time do Contorno estava em quarto na tabela, com 14 pontos, a quatro do líder CSA. Hoje, com 16 partidas disputadas por todas as 10 equipes do Grupo A, a distância para o líder aumentou para 12 pontos. O time só venceu uma partida em todo returno, os 3 a 2 sobre o Moto Club.

Campanha inédita

No returno o rendimento mudou. O time que havia encerrado a primeira fase com um aproveitamento de 58%, encerrava na derrota para o Cuiabá, na Arena Pantanal pela 10ª rodada, a sequência de sete partidas dentro do G-4, que começara no duelo contra o Salgueiro, pela 4ª rodada. A partida terminou em vitória para o Botafogo pelo placar mínimo.

Desde a metade do mês de julho, o Botafogo despencou de rendimento, prova disso é que, na 8ª rodada, perdeu para o Asa de Arapiraca e chegou a ficar sete jogos sem vencer. Nesse intervalo o até então técnico, Itamar Schulle foi demitido e deu lugar a Ademir Fonseca.

A equipe se reabilitou, mas, apenas num lampejo quando venceu o Moto interrompeu a queda na classificação. Foi o suspiro do torcedor. A sensação é de que, a cada partida, o Botinha desce um degrau. Os números do segundo turno só reafirmam a preocupante campanha.

A torcida, impaciente fez três protestos no CT, sem falar das repetidas vezes que se manifestaram nas arquibancadas do José Américo de Almeida Filho. Os jogadores já admitem preocupação com a situação, mas garantem buscar forças para, ao menos, manter o time na divisão.

O atual momento é ruim. O time não vence há dois jogos na disputa. Faltam apenas duas rodadas e é bem verdade que a equipe ainda tem chances, mesmo que remotas, para buscar a classificação. Contudo vai precisar fazer a sua parte, ou seja, vencer dois jogos seguidos. A última vez foi contra Remo e Confiança, ainda em junho.

O próximo duelo é contra Asa, nessa sexta-feira (1º), no Almeidão. Depois, o Botafogo visita o Sampaio Corrêa, já classificado, e encerra sua participação nessa primeira fase, no Castelão, em São Luís.

Relacionadas