segunda, 17 de junho de 2019
Esportes
Compartilhar:

Auto e Desportiva querem Botafogo e Campinense fora

Franco Ferreira / 11 de janeiro de 2019
Foto: Assuero Lima
Uma nova polêmica pode surgir no futebol da Paraíba. Auto Esporte e Desportiva Guarabira entraram com ação na Justiça Comum solicitando o adiamento início do Campeonato Paraibano de 2019, marcado para começar amanhã. Além disso, na ação, os dois denunciantes querem o rebaixamento de Botafogo e Campinense.

Os dirigentes do Auto Esporte e Desportiva Guarabira acusam que o Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Paraíba (TJDF-PB) atrasou o julgamento do processo que solicita a inclusão dos dois times nas disputas do certame estadual deste ano.

O presidente da Desportiva Guarabira, Domingos Sávio, juntamente com o presidente do Auto Esporte, Helamã Nascimento, buscam o direito no Código Disciplinar da FIFA com a ação de anulação do Campeonato Paraibano de 2018.

Auto Esporte e Desportiva Guarabira foram rebaixados para a Segunda Divisão, após terminarem nas últimas colocações da última competição oficial. As duas equipes querem permanecer na elite.

Os dirigentes dos dois clubes impetrantes têm como base as punições dos dirigentes de Botafogo, Campinense, do TJDF-PB e vários árbitros por parte do Pleno do STJD da CBF, todos alvos da Operação Cartola, que investigou um suposto esquema de manipulação de resultados no Estadual 2018. Helamã Nascimento e Domingos Sávio querem o rebaixamento de Botafogo e Campinense, que foram penalizados pelo STJD como envolvimento na Operação Cartola.

O advogado que representam Auto Esporte e Desportiva, Watteau Rodrigues, afirma que “se trata de ação de impugnação de resultados, anulação de Campeonato, perda de todos os pontos, eliminação da competição, rebaixamento de divisão e devolução de prêmios, tudo com base nos artigos 10 as 12 e 69 do Código Disciplinar da FIFA e o artigo 119 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva”.

"O processo ficou parado durante mais de 60 dias. Com isso, tomamos a iniciativa de acionar a Justiça Comum, um direito dos clubes", afirmou Watteau. Com isso, ele admite que a qualquer momento a Justiça Comum pode intervir na competição estadual até que, Auto Esporte e Desportiva Guarabira sejam atendidos nas suas solicitações.

Os clubes deram entrada ao processo no dia 31 de outubro e até agora o caso continua parado na Justiça Desportiva. Com isso, passou o prazo de 60 dias, como determina a Constituição, no artigo 217. Assim, os dois clubes entraram na Justiça Comum e o caso está na 6ª Vara Civil de João Pessoa.

O diretor executivo da Federação Paraibana de Futebol, Otamar Almeida, garantiu que FPF vai seguir o que for decido pelo STJD. Ele afirmou ainda que Auto Esporte e Desportiva Guarabira não podem acionar a Justiça Comum enquanto o caso não for definido pelo STJD. "Os dois clubes podem ser punidos com dois anos de suspensão e até com desfiliação".

Relacionadas