quarta, 22 de maio de 2019
Atletismo
Compartilhar:

Fabyolla Ribeiro se mostra como promessa e possível sucessora da conterrânea Andressa Morais

Allan Hebert / 28 de outubro de 2017
Foto: Rafael Passos
Não é segredo de ninguém que a principal atleta do Brasil no lançamento de disco é a paraibana Andressa Oliveira de Morais, que já participou das duas últimas edições dos Jogos Olímpicos e é atual recordista sul-americana da prova, com 64.68 m. Hoje com 26 anos, a atleta vê surgir em sua terra natal, João Pessoa, uma possível sucessora, a jovem Fabyolla Ribeiro, que com muito pouco tempo no esporte, já começa a dar sinais de que pode substituí-la no cenário nacional no futuro.

Até o porte físico das duas é bastante parecido. Ambas são negras, têm boa estatura e são muito fortes fisicamente. Fabyolla, que tem apenas 15 anos de idade, já ostenta 1,82 m de altura, distribuídos em mais de 90 quilos. A jovem não esconde de ninguém que tem Andressa como inspiração.

“Com certeza a Andressa é minha grande inspiração. Ela posta vídeos no Instagram e sempre salvo no meu celular para observar bem a técnica dela e melhorar meus movimentos. Toda vez que ela vai participar de uma competição eu estou na torcida e de olho para aprender com ela”, disse a jovem, que sonha em conhecê-la pessoalmente.

"Eu ainda não conheço a Andressa. Ela já esteve aqui (pista de atletismo da Universidade Federal da Paraíba), mas não tive a oportunidade de vê-la. Espero ter a chance de vê-la da próxima vez que estiver por aqui”, contou.

Apesar da pouca idade e experiência, Fabyolla já sonha alto e traça como meta participar das Olimpíadas como principal objetivo, assim como sua conterrânea que já disputou duas edições.

“Planejo continuar treinando forte e evoluindo para tentar me classificar para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Sei que não será fácil, mas vou treinar para chegar ao meu objetivo”, revelou a atleta, cheia de confiança.



Evolução e foco nos Jogos Escolares da Juventude

Fabyolla Ribeiro começou a treinar no atletismo em 2016, mas não no lançamento de disco. A jovem iniciou o arremesso de peso, mas, com o auxílio do olhar técnico de Pedro Almeida, técnico que revelou nomes como as irmãs Jailma e Jucilene Sales de Lima, logo migrou de categoria. E os resultados não demoraram a acontecer.

Logo em seu primeiro ano no lançamento de disco, obteve a classificação para os Jogos Escolares da Juventude na faixa etária de 12 a 14 e voltou para casa com a medalha de bronze no peito. No próximo mês, em Brasília-DF a paraibana voltará a disputar a competição, agora para atletas de 15 a 17 anos. Mais preparada, Fabyolla espera conquistar mais um grande resultado.

"A gente está treinando muito mesmo, de segunda a sábado para ir bem na competição. Eu sei que vai vir medalha, mas não sei qual. Estou treinando muito para pegar um pódio, mas não vai ser muito difícil”, disse a jovem.

O técnico Pedrinho é mais cauteloso e não crava que sua pupila vai medalhar, já que será sua primeira vez nos Jogos Escolares da Juventude nessa faixa etária.

A próxima a brilhar no cenário nacional?

A Paraíba já revelou nomes importantes do atletismo brasileiro como Basílio de Moraes, a própria Andressa Morais, além das irmãs Jailma e Jucilene Sales de Lima. Porém, nos últimos anos, o Estado tem se destacado mais em formar atletas do paralímpico, como o campeão olímpico Petrúcio Ferreira, e outros jovens descobertos pelo próprio Pedro Almeida. O técnico vê muito potencial em Fabyolla, mas ainda não consegue cravar se a jovem fará parte desse time de alto nível.

Andressa Morais - WAGNER CARMO.CBAT

“Ela vem apresentando uma qualidade muito grande, já superou a Andressa quando tinha 15 anos, mas ainda é muito cedo para avaliar se ele chegará ao alto nível. Eu quero demais que ela chegue a esse nível, mas preciso de mais uns dois anos para ter um veredito. Primeiro tenho o sonho de chegar a um Mundial Juvenil com a Fabyolla. Depois pensamos em voos mais altos como os Jogos Olímpicos. Vamos trabalhar por etapas”, avaliou o treinador.

Em pouco mais de um ano a evolução da menina é nítida. No primeiro treinamento na categoria, ela lançou o disco a 28 metros de distância. Atualmente, sua melhor marca é 37.85 m, quase dez metros a mais. Pedrinho ainda não consegue cravar que Fabyolla será uma atleta de alto nível, no entanto, aposta que ela vai superar todas as marcas que Andressa Morais fez até os 19 anos.

“O potencial dela é enorme e ela já tem marcas muito melhores que a Andressa tinha aos 15 anos. Até os 19 anos ela vai superar todos os recordes de Andressa, mas depois disso ficará mais difícil prevê. Vou trabalhar com ela para já em 2018, nos Jogos Escolares da Juventude, quebrar o recorde de competição, que é da própria Andressa, com pouco menos de 46 metros.

Relacionadas