segunda, 20 de maio de 2019
Esportes
Compartilhar:

Após acidente, Petrúcio Ferreira quer voltar mais forte do que nunca

Gabriel Botto / 24 de março de 2019
Foto: Nalva Figueiredo
A vida de um atleta é permeada por desafios e surpresas, porém, nem sempre essas surpresas são positivas. É o caso do recordista paralímpico Petrúcio Ferreira, que sofreu um acidente no início do ano e teve que passar 45 dias sem realizar treinamentos, comprometendo o início da temporada, que é considerada uma das mais importantes da carreira do paraibano.

Em um ano recheado de competições importantes, Petrúcio almeja se recuperar e voltar às pistas com a mesma empolgação, mirando nas próprias marcas, que lhe deram não só a medalha de ouro nas Paralimíadas do Rio de Janeiro em 2016, como o recorde mundial nos 100 e 200m rasos.

De volta aos treinamentos, mesmo que de forma menos intensa, Petrúcio falou sobre o acidente que sofreu no segundo dia do ano, ressaltando que, apesar de comprometer o planejamento, acabou se tornando, além de um grande aprendizado, mais um desafio na vida do paraibano.

“Sofri esse acidente no dia dois de janeiro, onde eu estava com minha família de férias no interior. Fui tomar banho de rio e, após um mergulho acabei batendo a cabeça em uma pedra. Foi uma entrada de ano não tão boa, mas ficou como um grande desafio e um aprendizado, mas, se Deus quiser, quero estar voltando o quanto antes às pistas”, disse Petrúcio Ferreira.

O recordista mundial ressaltou a importância deste ano, o qual ele chama de ‘ano-chave’, na preparação para as Paralímpiadas de Tóquio em 2020, principalmente no que diz respeito ao Campeonato Mundial, onde ele vai pode medir o nível dos adversários que vai encontrar nas pistas durante o ano olímpico.

De volta aos treinos, atleta está confiante



Petrúcio agora quer focar no futuro. Passado o tempo crítico de recuperação, onde não podia sequer mastigar, o corredor já voltou aos treinos e espera terminar o ano em forma, com excelentes resultados conquistados.

“Agora estamos correndo atrás do prejuízo, conseguindo recuperar bem. Por exemplo, voltei a treinara, o que já foi uma grande conquista para mim, e espero terminar o ano em plena forma, em busca de excelentes resultados”, comemorou o velocista.

Agora, a expectativa de Petrúcio é chegar a um lugar em que ele já está acostumado a freqüentar: o ponto mais alto do pódio, mas para isso, deve seguir com a recuperação e voltando aos treinamentos da melhor forma possível.

“Minha expectativa para este ano é das melhores. Me preparar bem para chegar nestas competições e dar o meu melhor e que meu melhor seja subir no ponto mais alto do pódio. Vou me desafiar novamente. Gosto de desafios e tenho certeza que vou superar novamente todas as marcas”, finalizou Petrúcio.

Feitos



Petrúcio é campeão olímpico nos 100 m na categoria T47 e campeão mundial nas provas dos 100 m e 200 m.

Treinador comenta prejuízo



O treinador do recordista mundial, Pedrinho Almeida, destacou o tamanho do prejuízo dos dias que Petrúcio ficou parado, inclusive destacando que, antes do acidente, o paraibano estava vivendo seu auge nas pistas, superando todas as marcas durante os treinamentos, o que gerava esperança de ser um ano de muitas conquistas e quebra de recordes.

“O prejuízo foi enorme, principalmente quando consideramos que uma semana antes do acidente ele estava superando todas as marcas, aí inicia o ano e ele se acidenta e passa mais de 45 dias parado. Agora estamos retomando os trabalhos e ele está respondendo de uma forma sensacional”, disse o treinador Pedrinho Almeida.

Apesar do prejuízo, Pedrinho está otimista com a recuperação de Petrúcio, comemorando que o corredor está correspondendo bem aos primeiros treinamentos. O treinador afirmou que, pelo que está vendo, Petrúcio tem tudo para dar a volta por cima e chegar na temporada melhor do que terminou no ano passado.

“Ele está fazendo as baterias de fisioterapia para recuperar a mobilidade do maxilar, e também a fisioterapia preventiva para contribuir com essa condição física que ele está apresentando. Ainda não podemos fazer treinamentos tão intensos, pois é muito arriscado, mas tudo que está sendo feito ele está conseguindo corresponder à altura. Pelo que estou vendo, ele vai voltar melhor ainda”, ressaltou.

Relacionadas