sexta, 04 de dezembro de 2020

Economia
Compartilhar:

Vendas de pacotes de viagens devem crescer 10%

Ellyka Akemy / 15 de fevereiro de 2016
Foto: Arquivo
Com a notícia de que os brasileiros não pretendem adiar, este ano, os planos não realizados em 2015 por causa da crise econômica, as agências de turismo estão otimistas e estimam um aumento entre 6% e 10% nas vendas de pacotes de viagens ainda no primeiro semestre. Para isso, algumas empresas estão adotando novas estratégias para atrair os consumidores, como a oferta de roteiros menores por preços mais acessíveis.

O planejamento antecipado da viagem faz toda diferença. Isso porque as passagens aéreas e os hotéis tendem a ficar mais baratos. A economia pode chegar até 80%, dependendo do destino escolhido. A operadora CVC afirma que, tradicionalmente, no primeiro semestre do ano, o turismo doméstico costuma ser a preferência dos brasileiros. E com a alta do dólar, as viagens nacionais aumentaram 5% em relação à procura pelo exterior.

O proprietário da Lapa Turismo, Luciano Lapa, revela que os destinos nacionais mais procurados são as Serras Gaúchas e a ilha de Fernando de Noronha. Recentemente, a agência anunciou uma promoção para este último destino, entre os dias 17 e 20 de abril, com aéreo, transfer, hospedagem e um passeio por R$ 990. Em geral, o pacote custa a partir de R$ 1.450. Todos os 12 lugares foram vendidos em 24 horas.

“Mas se programando com, pelo menos, seis meses de antecedência, é possível escolher bons roteiros com preços bem acessíveis. Inclusive, estamos oferecendo pacotes com menos dias para que a viagem fique mais em conta, sem, no entanto, comprometer a qualidade do passeio”, comenta.

O empresário, Eduardo Camacho, se programou bem para a viagem das férias deste ano. Ele e a esposa vão fazer um cruzeiro de 12 dias pelas ilhas gregas em agosto. O planejamento começou ano passado. Eles aproveitaram que a operadora estava com o dólar congelado e compraram o pacote e as passagens aéreas parcelados no cartão de crédito. Tudo custou em torno de R$ 20.000.

“Geralmente, fazemos duas viagens para o exterior por ano, mas agora estamos mais cautelosos. Como nosso orçamento está equilibrado, decidimos conhecer um novo destino e, como fizemos tudo com bastante antecedência, estamos comprando o dólar aos poucos para gastar por lá”, conta. Assim como Luciano, outros consumidores não deixaram de viajar para o exterior por causa da alta da moeda americana. A maioria tem procurado pacotes mais curtos (e mais econômicos) e com opções de hoteis e resorts com sistema “tudo incluso”, eliminando gastos extras com alimentação, por exemplo.

60% - procuram destinos nacionais

40% - procuram destinos internacionais

- Mesmo com o dólar nas alturas e com a redução de gastos de brasileiros no exterior, viajar para os Estados Unidos está mais em conta do que há dois anos. A maior redução dos preços está na cotação das passagens aéreas. É possível achar para Miami, por exemplo, passagem a partir de R$ 1.500,00.

“As pessoas devem ter cautela. O ideal nesse momento é economizar. Se você está com o orçamento equilibrado, procure poupar. Junte mais dinheiro para viajar quando o cenário estiver mais favorável economicamente. Assim, você vai ter recursos para passar mais dias no destino e até ficar em um hotel melhor” – recomendação do economista, Cláudio Rocha.

Relacionadas