quinta, 26 de novembro de 2020

Turismo
Compartilhar:

João Pessoa é rodeada de capitais que são desejos de quem vive no Sudeste

Da redação / 09 de junho de 2017
O estudante Márcio Jobes, da UFPB, não sabe para onde vai em julho. Estagiário de uma empresa de comunicação, ele tirará férias por 20 dias das aulas na universidade e do emprego. “Eu não tenho dinheiro para ir à Europa, mas também não queria deixar de viajar para algum lugar”, diz ele. “As opções são passagens aéreas nacionais”, completa.

É a mesma percepção da jornalista Cíntia Zapa: apesar da capital paraibana estar localizada entre diversas capitais nordestinas distintas entre si, poucas pessoas se interessam por conhecê-las. Em 2014, os paulistas eram os turistas nacionais que mais iam para Maceió, em Alagoas, seguidos por cariocas e pernambucanos, cujo estado é vizinho. A cidade fica a 370 km de João Pessoa e é acessível em um voo de duas horas.

O apelo de Maceió entre os turistas do Sudeste está nas praias, vendidas à exaustão por agências de viagens, propagandas de produtos e sites especializados. “É o Caribe brasileiro”, diz o advogado André Donna, paulistano que viajou com a namorada para a capital alagoana em janeiro deste ano. “As águas são muito claras, transparentes”, continua.

Para os nordestinos, porém, mais acostumados com o clima litorâneo, a cidade oferece outras atrações: há o bairro de Jaraguá, uma antiga zona boêmia com construções do século 19 que remontam ao período do auge econômico de Maceió. Ali, fica a região portuária, que motivou inclusive a emancipação da província pernambucana de Alagoas.

Decadente nos anos 1990, com a invasão de imóveis e a presença de usuários de entorpecentes, a região foi revitalizada e hoje abriga museus e espaços culturais.

Outros espaços frequentados de Maceió são a Feira de Artesanato de Pajuçara, o Mirante São Gonçalo e o Memorial à República, construído em cerca de seis meses com um amplo hall, vista panorâmica para o mar, parlatório e 27 mastros para as bandeiras de todos os Estados brasileiros, além de contar com as estátuas de bronze dos dois alagoanos ilustres, Marechal Deodoro da Fonseca e Marechal Floriano Peixoto.

Assim como Maceió, Fortaleza também é pouco conhecida dos paraibanos. De acordo com levantamentos de agências de viagens, 73% dos turistas na capital cearense em 2014 eram originários do Sudeste, além de outros 27% do Sul. “Os nordestinos não costumam circular pela sua própria região, o que é uma pena, porque a gente acaba desconhecendo todas as coisas incríveis que têm aqui”, comenta a consultora de turismo Kátia Tavares, de Fortaleza.

A capital do Ceará está localizada a cerca de 600 km de João Pessoa, mas as passagens aéreas vendidas no trecho não duram mais do que 2h30 e costumam ser baratas.

A região metropolitana de Fortaleza é a mais populosa das regiões Norte e Nordeste e a quinta do país. Segundo o Ministério do Turismo, é a segunda cidade mais desejada pelos turistas, atrás do Rio de Janeiro, e a quarta que mais recebe visitantes no país. “O potencial turístico é gigantesco”, afirma Tavares.

Por ter um porte quase de metrópole, Fortaleza possui um roteiro rico de restaurantes, bares e baladas, além de alguns cafés. Para além das praias, também tem uma vida cultural pulsante, com teatros, exposições e shows. Entre os destinos mais visitados, estão o Theatro José de Alencar, com um estilo neoclássico e vitrais coloridos na parte interna, o Mercado Central, que, além de ser uma concentração do artesanato cearense, está localizado em um prédio modernista, e o Dragão do Mar, um centro cultural que reúne diversas atividades – de cinema a um planetário.

Os destinos, no entanto, não se limitam às duas capitais. Próximas à João Pessoa ainda estão Aracaju, em Sergipe (2h40 de avião), além das cidades do interior, como Juazeiro do Norte, no Ceará (3h), onde fica a famosa estátua de Padre Cícero. “Fora a Bahia, o Maranhão e até mesmo os estados vizinhos, como Pernambuco, repleto de história e lazer”, finaliza Kátia Tavares.

Relacionadas