quarta, 20 de janeiro de 2021

Economia
Compartilhar:

‘Se não mudar a Previdência, Brasil terá hiperinflação’, diz ex-ministro na Paraíba

Alexandre Freire / 23 de setembro de 2017
Foto: Reprodução
O ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, defendeu a aprovação da Reforma da Previdência e projetou a volta da hiperinflação à economia brasileira caso as mudanças não aconteçam.

Segundo ele, sem a solução desse problema o país ingressará rapidamente no processo de insolvência fiscal, o que trará de volta o descontrole da economia e o fantasma da inflação para os brasileiros.

Maílson da Nóbrega lembrou que o déficit da Previdência Social hoje preocupa, pois já supera os R$ 300 bilhões, cifra que representa, segundo ele, o dobro do investimento do setor público em infraestrutura no país.

“Ignorantes”

Sobre as críticas à proposta apresentada pelo governo federal, o ex-ministro disse que elas partem de grupos restritos, que não querem renunciar a seus direitos, ou daqueles que não entendem a importância de o país resolver o problema da Previdência.

“As pessoas que estão criticando, de um lado são os que não querem renunciar a seus direitos, de outro são alguns ignorantes, que não têm a capacidade de entender a situação, e ainda há também, os ingênuos, que acreditam no discurso de sindicalistas da Receita Federal, que não existe déficit na Previdência”, declarou.

Recuperação

Questionado como avalia a atual situação econômica do Brasil, Maílson da Nóbrega disse que o país experimenta um processo de recuperação e já começa a sair da pior recessão de sua história, com o crescimento de todos os índices econômicos.

“Todos os segmentos estão crescendo quase que simultaneamente, alguns mais rápidos do que os outros, o que fará com que a gente termine o ano com um crescimento em torno de 0,7%, ou como alguns apostam, até de 1% em nossa economia”, comentou.

Maílson da Nóbrega disse que o atual governo goza de credibilidade apesar da questão política que enfrenta. Segundo ele, graças à capacidade de articulação com o Congresso, as reformas necessárias estão sendo aprovadas resultando em um ganho de confiança em todos os setores, seja junto aos consumidores, produtores e à classe política.

Em relação à imagem do Brasil no exterior, o ex-ministro lembrou que atualmente o cenário é bem diferente do vivido até bem pouco tempo, e uma das principais mudanças se deu com a queda da percepção de risco do país, que é “o coroamento do ganho de confiança”.

Projeção para 2018

Maílson da Nóbrega também se mostrou otimista com relação ao cenário econômico para o próximo ano. Segundo ele, se a economia continuar avançando, no próximo ano o crescimento pode chegar até 2,8%. “Esse crescimento ainda não é o potencial do país, mas é muito em comparação às aflições vividas nos últimos dois anos”, destacou.

Relacionadas