domingo, 28 de fevereiro de 2021

Economia
Compartilhar:

Redes sociais serão ‘investigadas’ para a retirada de visto de viagem

Luís Eduardo Andrade / 01 de julho de 2017
Foto: Reprodução
Você já parou para pensar como anda sua postura nas redes sociais? Não é novidade para ninguém que para uma entrevista de emprego, por exemplo, o conteúdo que o candidato publica nas mídias sociais pode ser levado em consideração. Mas de acordo com uma norma estabelecida no último mês pelo Departamento de Imigração dos Estados Unidos, a conduta nas redes sociais das pessoas que desejam ingressar no país norte-americano poderá ser avaliada no processo de retirada do visto. Comente no fim da matéria.

As autoridades consulares e migratórias poderão requisitar ao solicitante, de qualquer visto, passaportes anteriores, cinco anos de dados de redes sociais, endereço de e-mail, últimos números de telefones utilizados, histórico de empregos e endereços de até 15 anos atrás. As novas resoluções fazem parte de um esforço para tornar ainda mais rígida a verificação de potenciais visitantes aos Estados Unidos.

O advogado especializado em direito de imigração, Daniel Toledo, explica que há uma série de novos procedimentos nos consulados e um critério mais rigoroso que visa uma análise detalhada. “É preciso que haja estrutura e planejamento. O visto não pode se adaptar a pessoa. Não tem como maquiar dados ou números e tentar burlar alguma exigência, pode sair muito mais caro”, aponta o advogado.

Ainda segundo Daniel, as alterações no processo de avaliação não irão pesar no bolso dos viajantes. As novas regras não afetarão preço de retirada do visto americano que, atualmente, custa aproximadamente U$ 160,00 para não-imigrante, de acordo com a Embaixada Americana de Pernambuco.

Confira o novo formulário

“Um exagero”

Quem pensa em tirar o visto e embarcar para a terra do Tio Sam acredita que a medida é um tanto exagerada, visto que, na internet, nem sempre as pessoas mostram sua verdadeira personalidade, como atesta a jornalista Gabriela Neves. “Entendo que lá a questão do terrorismo é bastante real, mas eles precisam entender que as redes sociais nem sempre mostram a realidade das pessoas, além disso, é preciso que o país tome cuidado para não afastar os turistas com tantas regras”, constatou Gabriela.

A jornalista já morou nos Estados Unidos e, em breve, buscará renovar seu visto. De acordo com Gabriela, sua postura não será problema na hora da avaliação. “Apesar de achar a regra um tanto exagerada, acho que eu não seria prejudicada, talvez até ajude, por mostrar várias fotos de viagens que fiz e retornei ao meu país”, finalizou.

A estudante Nathália Lígia, que também pretende conseguir a permissão para pisar em solo americano, alega que o acesso às redes sociais pode ser irrelevante. “Acho um exagero porque não acredito que as redes sociais trarão dados relevantes para a descoberta de terrorismo. Se a pessoa fez ou faz algo de errado não é nas redes sociais que estará”, salientou Nathália.

Ninguém sabe, ninguém viu

Embora muito esteja se falando sobre a nova medida, na Paraíba o assunto parece que ainda não chegou às agências de viagens e assessorias de vistos. Durante uma semana, nossa reportagem entrou em contato com diversos escritórios que prestam assessoria a pessoas interessadas em retirar o visto, porém, nenhuma deles estava sabendo das novas recomendações.

 

Relacionadas