domingo, 16 de maio de 2021

Economia
Compartilhar:

Quase 40% dos consumidores estão sem recursos para cumprir compromissos

Ellyka Gomes / 18 de outubro de 2018
Foto: Reprodução
Cinco em cada dez tomadores de empréstimos e financiamentos atrasaram, em algum momento, parcelas da dívida, sendo que 21% destes ainda estão com prestações pendentes. Foi o que revelou o Indicador de Uso do Crédito apurado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

A sondagem mostrou que 38% dos consumidores estão no vermelho, ou seja, sem recursos suficientes para arcar com todos os compromissos. Outros 82% estão no limite do orçamento. A pesquisa também procurou identificar a disposição dos consumidores em cortar gastos e 55% afirmaram que querem diminuir os gastos em setembro, em relação ao mês de agosto.

A principal razão para os cortes está ligada aos preços elevados praticados no mercado. Outros 30% da amostra disseram que querem economizar e 11% desejam fazer uma reserva financeira. Mais da metade dos entrevistados afirmou encontrar dificuldade na obtenção de empréstimos e financiamentos. Os entraves são percebidos, principalmente, nas classes C e D.

Entre os que usaram o cartão de crédito em agosto, pelo menos, um terço afirmou que não lembra qual foi o valor da fatura paga. Dentre os que souberam dizer quanto desembolsaram, a fatura média foi de R$ 882.

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o uso do crédito exige cuidados e não pode funcionar como complemento da renda. “A falta de disciplina no controle do orçamento acaba provocando uma desorganização tamanha que, em muitos casos, o consumidor precisa recorrer a renegociações que levam muitos meses para quitar, comprometendo parte do orçamento por um bom tempo”, alertou.

Economia registra expansão

O nível de atividade da economia brasileira registrou expansão pelo terceiro mês seguido em agosto, de acordo com informações divulgadas pelo Banco Central nessa quarta-feira (17).

O chamado Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), considerado um tipo de "prévia" do Produto Interno Bruto (PIB), teve crescimento de 0,47% em agosto, comparado com o mês anterior. O resultado foi calculado após ajuste sazonal (uma espécie de "compensação" para comparar períodos diferentes).

Quando comparado a agosto de 2017, o IBC-Br cresceu 2,5% (neste caso, sem ajuste sazonal).

O nível de atividade econômica já havia registrado expansão em junho (+3,45%) e julho deste ano (+0,65%) – após o tombo de 3,33% em maio, causado pela greve dos caminhoneiros.

Os números do BC mostram ainda que, nos oito primeiros meses deste ano, o indicador do nível de atividade registrou uma expansão de 1,28%, sem o ajuste sazonal. No acumulado em 12 meses até agosto, a prévia do PIB (indicador dessazonalizado) registrou crescimento de 1,50%.

A próxima divulgação oficial do resultado do PIB será no dia 30 de novembro, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentará o resultado do terceiro trimestre de 2018.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Já o IBC-Br foi criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que é divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

IGP-10 acumula alta

O Índice Geral de Preços-10 (IGP-10), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou inflação de 1,43% em outubro, taxa acima do 1,20% de setembro e do 0,49% de outubro do ano passado. O indicador acumula 9,44% no ano e 10,69% em 12 meses.

O aumento foi causado por avanços da inflação nos três subíndices que compõem o IGP-10.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, passou de 1,76% em setembro para 1,92% em outubro.

O Índice de Preços ao Consumidor, que analisa o varejo, passou de 0,08% para 0,52% no período. Já o Índice Nacional de Custo da Construção cresceu de 0,16% para 0,31%.

O IGP-10 é calculado com base em preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

 

Relacionadas