quinta, 01 de outubro de 2020

Economia
Compartilhar:

Procon vai coibir abusos nos postos de combustíveis

Celina Modesto / 02 de outubro de 2015
Foto: Arquivo
A Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) vai fazer uma varredura nos postos de combustível da Capital para verificar se os preços cobrados pelos litros da gasolina e do diesel sofreram reajuste abusivo e/ou ilegal. A ação, que deverá ser realizada na próxima semana, envolve a análise e comparação entre os preços praticados conforme a última pesquisa feita pelo Procon-JP e as notas fiscais dos estabelecimentos.

De acordo com o secretário da pasta, Helton Renê, a pesquisa não começou ainda porque a medida da Petrobrás, que reajustou o valor da gasolina (6%) e do diesel (4%) para as refinarias, foi anunciada recentemente. “Estamos deixando os postos se adequarem para só então fazer a pesquisa dos preços”, frisou. Dessa forma, cada posto deverá apresentar a nota fiscal comprovando a compra dos combustíveis.

Renê salientou que o preço dos combustíveis praticados em João Pessoa é um dos mais baratos do país. “Temos feito trabalho de orientação e educação aos fornecedores. Queremos que os combustíveis continuem com bons preços, mesmo em época de crise. A Paraíba ostenta um dos melhores valores entre as UFs e não quero largar o que foi construído”, disse. Até ontem, ele afirmou que não havia recebido reclamações de consumidores com relação a possíveis aumentos já registrados na Capital. O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Derivados de Petróleo no Estado da Paraíba (Sindipetro-PB) também não soube informar se já houve reajuste repassado aos consumidores.

Levantamento. No último levantamento de preços dos combustíveis realizado pelo Procon-JP, foi constatado que 79 postos mantiveram o preço da gasolina em relação à pesquisa anterior, um aumentou e 22 reduziram o valor do produto. O menor preço, R$ 2,969, foi encontrado no posto Almeida (Brisamar) e, o maior, R$ 3,260, ficou com o Pichilau Ronaldão (Cristo).

O aumento dos combustíveis - 6% para a gasolina e 4% para o diesel – foi autorizado ontem pela Petrobrás nas refinarias que, por sua vez, vão repassar aos postos de combustíveis e a conta vai sobrar, novamente, para o consumidor final.

Relacionadas