terça, 26 de janeiro de 2021

Economia
Compartilhar:

Preço da gasolina rompe a barreira dos R$ 4,00 em João Pessoa

Érico Fabres / 16 de novembro de 2017
Foto: Assuero Lima
Se o consumidor estava se acostumando com o novo preço da gasolina, de R$ 3,63 até R$ 3,70, a alegria acabou. Nessa quarta-feira (15), feriado da Proclamação da República, serviu para os postos de combustíveis majorarem os preços chegando a R$ 4, o litro da aditivada. De 12 estabelecimentos pesquisados pela reportagem, sete estavam a R$ 3,95 o litro; dois a R$ 3,89; e o restante variava entre R$ 3,53 e R$ 3,56, porém com um detalhe: quase todos estavam fechados e os abertos com estoque velho, o que leva a crer que nesta quinta-feira (16) devem mudar a tabela.

Procon-JP diz que preço é abusivo e fará pesquisa nesta quinta-feira (16). No novo valor conferido nessa quarta-feira (15) o reajuste percentual chega a 8%. O último aumento nas refinarias foi de 2,3%, o que não justifica um patamar tão elevado, mesmo incluindo frete. Pesquisa comparativa realizada pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) no dia 8 de novembro encontrou o menor preço do litro da gasolina a R$ 3,494 (Extra Petróleo - Mangabeira), apresentando uma redução de R$ 0,135 centavos em relação ao levantamento de preços realizado no dia 24 de outubro passado, que era de R$ 3,629. Nessa última pesquisa, o valor mais caro era de R$ 3,950, comercializado no Posto Tambaú, com pagamento a dinheiro - uma diferença de 13,1% entre o preço mais barato e o mais caro. No cartão de crédito o preço ficava ainda mais caro, a R$ 3,990.

O superintendente do Procon-JP, Helton Renê, diz que uma fiscalização/pesquisa será realizada nesta quinta-feira (16) para verificar o que aconteceu com um aumento tão repentino, mesmo com a nova política de reajuste da Petrobras, mas que não justifica uma elevação tão alta. Segundo ele, as notas fiscais de compra de combustíveis serão solicitadas aos proprietários de estabelecimentos que, se não justificarem a nova tabela serão notificados ou autuados. “Embora o mercado seja livre, se o reajuste não for justificado, autuações serão feitas como foram da última vez que fizemos fiscalização e os proprietários não justificaram”, finalizou.

Relacionadas