sábado, 21 de setembro de 2019
Economia
Compartilhar:

Pesquisa revela que atividade comercial está em crescimento

Ellyka Gomes / 28 de junho de 2019
Foto: Arquivo
A atividade comercial na Paraíba gerou R$ 40,5 bilhões de receita bruta de revenda e de comissões sobre vendas em 2017. No mesmo ano, o setor empregou mais de 117,7 mil pessoas, pagando R$ 2 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações. Esses valores foram gerados por 22,1 mil unidades locais comerciais. Esses e outros dados foram divulgados, nessa quinta-feira (27), pelo Instituto brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) e fazem parte da Pesquisa Anual do Comércio (PAC) 2017.

O material retrata as características estruturais do segmento empresarial da atividade de comércio no País. O IBGE destacou que essas informações são indispensáveis para a análise e o planejamento econômico das empresas do setor privado e dos diferentes níveis de governo. A fim de identificar mudanças estruturais, o estudo prioriza a comparação entre os resultados de dois pontos extremos de uma série de dez anos: 2017 e 2008.

Em dez anos, a receita bruta de revenda e de comissões sobre vendas do comércio paraibano cresceu 172%. O montante passou de R$ 14,9 milhões, em 2008, para R$ 40,5 milhões em 2017. Este resultado ampliou a importância da Paraíba na receita bruta de revenda do Nordeste, fazendo o Estado subir uma colocação e ultrapassar o Rio Grande do Norte.

Em 2017, o comércio varejista obteve a maior participação na receita bruta da atividade comercial na Paraíba, responsável por 54,4% do total, seguido pelos setores atacadista (36,2%) e de comércio de veículos, peças e motocicletas (9,3%). Para o IBGE, atacado e varejo não tem relação com a quantidade e nem com o valor da venda.

O varejo é formado por estabelecimentos que vendem mercadorias ao consumidor final para uso pessoal ou doméstico.

Já o comércio atacadista vende para consumidor intermediário. São consideradas atacadistas empresas que vendem mercadorias, principalmente, a outros estabelecimentos, como, para outras empresas e órgãos da administração pública.

Na Paraíba, a margem do comércio - definida pela diferença entre a receita líquida de revenda e o custo de mercadorias vendidas - chegou a R$ 7,4 bilhões em 2017. Desse total, o varejo foi responsável por 59%, o atacado por 32% e o comércio de veículos, peças e motocicletas por 8,8%.

Receita bruta de revenda/NE

[Em %]



 

Relacionadas