sexta, 21 de setembro de 2018
Economia
Compartilhar:

Paraíba é escolhido como o estado mais eficiente do Nordeste

Arthur Araújo / 15 de setembro de 2018
Foto: Rafael Passos
A Paraíba é o 1º estado do Nordeste em competitividade no ano de 2018, apresentando uma nota geral de 52,7, mais de três pontos acima da média nacional. O desempenho garantiu ainda o nono lugar entre estados do Brasil, avançando uma posição em relação a 2017. Os dados são do Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP). Entre os quesitos analisados, a Paraíba apareceu bem em Infraestrutura, Segurança e Solidez Fiscal, por exemplo, mas ainda está abaixo da média nacional em Potencial de Mercado, Educação e Eficiência da Máquina Pública.

Na Infraestrutura, o Estado é destaque no Brasil, alcançando o 2º lugar, com 67,3 pontos, 23 a mais que a média nacional. O estado apresentou pequenas quedas na pontuação referente aos custos da energia, combustível e do saneamento. Por outro lado, mostrou grande avanço no que se refere à qualidade da energia (de 90 para 100 pontos) e à qualidade das rodovias (de 40 para 62 pontos).

Segurança Pública é outro pilar em que a Paraíba aparece bem, ocupando o 9º lugar entre os estados, com 67,8 pontos. O resultado foi impulsionado pelo crescimento em segurança patrimonial (mais 35 pontos em quatro anos) e na atuação do sistema de Justiça Criminal (mais 27,6 pontos com relação a 2014). A segurança pessoal também apresentou acréscimo considerável na nota, subindo 15,7 pontos.

O resultado primário, que considera a diferença entre receitas e despesas do Estado, foi o fator responsável pelo bom resultado em Solidez Fiscal, onde a Paraíba alcançou mais de 80 pontos, ocupando a 11ª posição nacional. O sucesso da execução orçamentária também contribuiu, apresentando crescimento de nove pontos. O último pilar onde a Paraíba se destacou foi o de Inovação, ficando em 8º lugar no Brasil com 38,4 pontos.

Sustentabilidade

Paraíba aparece acima da média nacional em Sustentabilidade Ambiental, mas apenas na 16ª posição entre as unidades da federação. O Estado cresceu em destinação do lixo (de 2,5 para 45,1 pontos) e no controle da emissão de dióxido de carbono (de 36 para 63). Por outro lado, teve queda em pontos como serviços urbanos e tratamento de esgoto.

Gestão

O Ranking de Competitividade dos Estados é uma das principais ferramentas de avaliação da gestão pública do Brasil, e busca pautar a atuação de líderes públicos em 10 áreas-chave. Disponível em uma plataforma online, o ranking traz um diagnóstico completo das performances estaduais em 68 indicadores distribuídos entre 10 pilares. O documento é elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP) em parceria com a Tendências Consultoria Integrada e a Economist Intelligence Unit.

Eficiência está em baixa

A Paraíba ainda aparece abaixo da média nacional em Eficiência da Máquina Pública, ocupando o 18º lugar. O estado apresenta melhoras nas notas de custos do Executivo e Legislativo. A nota referente ao custo do Judiciário, no entanto, aumentou. Por outro lado, a eficiência da Justiça Estadual teve queda, tendo sua nota rebaixada em dois pontos nos últimos quatro anos.

A desigualdade de renda foi um dos fatores que puxou para baixo o desempenho da Paraíba em Sustentabilidade Social, onde ocupa a 14ª posição. Em quatro anos, a pontuação da Paraíba caiu mais de 28 pontos no quesito desigualdade, além de mostrar baixa acentuada em questões como inadequação das moradias e segurança alimentar. Quesitos como IDH e inserção econômica tiveram resultados positivos, tendo este último evoluído mais de 40 pontos.

No quesito Potencial de Mercado, a Paraíba apresentou o seu pior desempenho na série histórica, ficando em 18º lugar entre os estados e bem abaixo da média nacional. Desde 2015, a média paraibana caiu 26,5 pontos, chegando a 24,1 em 2018. A queda foi puxada pelos resultados insatisfatórios da taxa de crescimento, que saiu de 99,1 para 35,8 em quatro anos.

No pilar capital humano o Estado aparece em 19º no país, com 23,2 pontos. O Estado tem avançado no grau de instrução da População Economicamente Ativa, mas apresentou um ano ruim em critérios como produtividade do trabalho e qualificação da mão de obra. Em anos anteriores, vinha apresentando crescimento paulatino ou estabilidade nestes pontos. Outro quesito que traz a Paraíba abaixo da média nacional é a Educação, onde o Estado pontuou 44,3, fixando-se em 15º do país. O Estado mantém nota máxima na avaliação da educação, mas teve quedas leves no que se refere ao Enem e ao Ideb, e queda acentuada (mais de 50 pontos) no que se refere ao Programa Internacional de Avaliação do Estudante (Pisa). A taxa de atendimento ao Ensino Infantil, por outro lado, tem subido, assim como a frequência no Ensino Médio.

Relacionadas