quinta, 21 de novembro de 2019
Economia
Compartilhar:

Ovos da Páscoa apresentaram aumento no preço de 10,22% este ano

Ellyka Gomes / 17 de abril de 2019
Foto: Assuero Lima
Os ovos de Páscoa estão mais “salgados” este ano. É que os preços dos produtos apresentaram um aumento médio de 10,22% este ano, na comparação com o mesmo período de 2018. A pesquisa foi divulgada nessa terça-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) e considerou os preços praticados na primeira semana de abril.

A alta foi puxada, principalmente, pelos os ovos de Páscoa com até 100g, que registraram aumento de 40,52%. Este ano, os produtos estão custando, em média, R$ 36,73 - contra os R$ 26,14 praticados em 2018. Os ovos de Páscoa nº 20 apresentaram o segundo maior reajuste (8,25%). Eles estão sendo vendidos, em média, por R$ 49,59 - contra os R$ 45,81 comercializados no ano passado. A pesquisa mostrou ainda que os bombons e chocolates tiveram aumento médio de 5,24% entre maio de 2018 e abril de 2019.

Porém, na comparação de abril com março deste ano, os preços registraram queda de 3,61%. “Enquanto os ovos de até 100g têm um preço médio de R$ 36, as barras de mesma gramatura têm um preço seis vezes menor. Mas os ovos têm um apelo emocional e agradam mais as crianças. A dica é definir um valor máximo para o gasto e combinar com as crianças. Elas escolhem o que querem ganhar e ainda aprendem um pouco de educação financeira”, destacou o economista e pesquisador do FGV IBRE, Igor Lino.

Segundo o FGV IBRE, os preços dos ovos de Páscoa se mantiveram estáveis em 2018, na comparação com 2017, possivelmente porque o setor de chocolates ainda vinha se recuperando da crise econômica. Mas ano passado a indústria recuperou o fôlego. Dados da Associação Brasileira de Chocolates, Amendoins e Balas (Abicab) apontaram que o setor produziu 11 mil toneladas de ovos em 2018 - número 26% maior que o registrado em 2017.

E a indústria de chocolate está otimista para este ano, com a produção para a Páscoa a todo vapor. “Estamos confiantes. O mercado de chocolate voltou a ganhar espaço nos lares brasileiros com maior consumo de ovos e figuras de Páscoa, como também de produtos regulares. A indústria tem amplo portfólio que agrada todos os perfis dos brasileiros”, destacou o presidente da Abicab, Ubiracy Fonsêca.

Relacionadas