domingo, 28 de fevereiro de 2021

Economia
Compartilhar:

Imóveis usados terão crédito de 70%; Caixa quer aquecer o mercado

Érico Fabres / 09 de março de 2016
Foto: Arquivo
A Caixa Econômica Federal anunciou ontem medidas para aquecer o mercado de crédito imobiliário, entre elas, a ampliação da cota de financiamento para os imóveis usados.

O banco aumentou de 50% para 70% o limite financiado de um imóvel para trabalhadores do setor privado. Para clientes do setor público, o teto chega agora a 80%.

O aumento vale para financiamentos feitos dentro do SFH (Sistema Financeiro de Habitação) - de até R$ 650 mil na Paraíba - e visa estimular o mercado de usados.

De acordo com João Barbosa, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa, a medida pode ajudar também no crescimento nas vendas de imóveis novos, já que quem se desfaz de um apartamento ou casa normalmente é para adquirir outro. Já a Caixa afirma que o reaquecimento da demanda de habitação tem duplo impacto, uma vez que viabiliza o acesso à moradia para a população e aquece o segmento da construção civil, gerando mais empregos e renda no setor.

Entre as novas medidas também está a reabertura para financiamento imobiliário do segundo imóvel, com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE); o aporte de R$ 9,5 bilhões pelo Conselho Curador do FGTS, para a linha de crédito Pró-cotista; a autorização de R$ 10 bilhões pelo Conselho Curador do FGTS para a compra de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) por parte do FGTS; e a aprovação de R$ 3 bilhões pelo Conselho Curador para Operações Especiais.

Mais 64 mil imóveis financiados. Na avaliação da presidente da Caixa, Miriam Belchior, o aumento da parcela de financiamento de usados induz ainda o mercado de imóveis novos na classe média e alta. Isso porque o dinheiro da venda do usado normalmente é utilizado para a entrada no financiamento de um imóvel novo. O incremento aprovado viabilizará a contratação de mais 64.087 unidades habitacionais, sendo 29.773 pelo FGTS e 34.314 pelo SBPE.

Leia mais no Jornal Correio da Paraíba.

Relacionadas