quarta, 19 de dezembro de 2018
Economia
Compartilhar:

Espaços diferenciados para negócios começam a ganhar força na Paraíba

Celina modesto / 18 de fevereiro de 2018
Foto: Arquivo
Espaços diferenciados para fazer negócios, a exemplo de escritórios virtuais e coworking, estão começando a ganhar espaço na Paraíba. Somente a capital paraibana já conta com mais de oito coworkings, enquanto Campina Grande tem pelo menos três. Um escritório virtual, por exemplo, pode diminuir os custos de um escritório físico em até 70%. Por outro lado, também há quem precise de um espaço físico, mas divide os custos para que o negócio se torne viável.

A analista técnica do Sebrae, Daniela Raposo, disse que esses novos modelos de negócio podem ser enxergados como ambientes inovadores, versáteis e acolhedores. “Esse tipo de serviço vem evoluindo bastante. A grande proposta do coworking é conectar pessoas e empresas oferecendo estrutura corporativa completa, baseada no compartilhamento de estrutura e serviços”, explicou.

Por sua vez, o escritório virtual dá direito a um endereço fiscal. “Muitas vezes, o empreendedor não usa aquele espaço físico, mas o tipo de negócio dele exige que tenha um CNPJ e documentações legais. Então, só aluga o serviço de endereço fiscal para gerenciamento de correspondências”, disse Raposo.

Diversos profissionais, principalmente aqueles que estão em fase inicial na carreira, acabam optando por um espaço em coworking ou escritório virtual. “Temos observado que os que mais procuram são corretores de imóveis, consultorias empresariais, contabilidade, engenheiros, arquitetos e pessoas que precisam de estrutura mínima, apenas com mesa, computador e internet e que não precisem receber tantos clientes. Tem sido ambiente de relacionamento e colaboração muito interessante para quem não precisa de estrutura física muito grande e pode compartilhar estrutura e experiência”, frisou Raposo.

Além disso, esses novos espaços se configuram como uma alternativa para driblar a crise. “Porque as pessoas compartilham os recursos. Uma sala tem alto custo de aquisição e os recursos não são utilizados em tempo integral. Num espaço em conjunto, além de compartilhar recursos, compartilham-se experiências e relacionamento, num ambiente seguro e de proposta interessante e arrojada”, aponta a analista.

Necessidade apenas de domicílio fiscal



Muitas vezes, um profissional não precisa montar um espaço físico para atender seus clientes, porém, ainda assim, necessita de um endereço para receber correspondências. Para casos assim, existe o escritório virtual. “Este nome deriva de um dos serviços que nossa empresa presta aos seus contratantes, que é a possibilidade de constituição de empresa em nosso endereço. A isto, chamamos Domicílio Fiscal da Empresa, não sendo necessário se fazer presente onde a empresa está constituída”, explicou Francinaldo Dias, proprietário do primeiro escritório virtual da Paraíba, a Prático Escritório Virtual.

De acordo com Dias, o modelo de escritório virtual surgiu na Europa no período do pós-guerra, não se configura como uma novidade em termos globais. No entanto, na Paraíba, o conceito só chegou por volta dos anos 2000. “O escritório virtual surgiu com o intuito de promover a reestruturação econômica na Europa e, em meados dos anos 90 chegou ao Brasil pelos grandes centros, como São Paulo e Rio de Janeiro. Depois, se espalhou”, contou.

Os escritórios virtuais contam com uma gama de serviços para profissionais liberais e autônomos, por exemplo. “Assim, eles se preocupam apenas com a atividade fim, ou seja, nós assistimos nossos clientes com serviços diversos”, explicou Francinaldo Dias.

Relacionadas