sábado, 19 de junho de 2021

Economia
Compartilhar:

É hora de mudar hábitos e evitar excessos de fim de ano

Rammom Monte / 17 de novembro de 2015
Foto: Arquivo
Fim de ano chegando e com ele vêm as famosas “comprinhas de Natal”. Um presente aqui, uma roupa ali. Mas o momento é de ter cautela. Pelo menos é o que garante o economista Celso Mangueira. Segundo ele, apesar da previsão da queda na inflação, as famílias precisam manter as contas em dia e não fazer loucuras.

“No momento, as famílias têm que compreender esta realidade, mudar o perfil de consumo e cada vez mais manter uma preocupação com as finanças. Se eu não conheço os números financeiros da minha família, terei dificuldade. As pessoas precisam procurar ter o seu orçamento financeiro em mãos”, alertou.

Celso explicou que a inflação pode chegar até os dois dígitos até o fim deste ano, mas a expectativa é de redução para 2016, ficando na média dos 6,5%, teto da meta estabelecida pelo Governo Federal. Segundo ele, leva-se um tempo até que o mercado reaja frente as medidas adotadas pelo governo.

“Uma das medidas adotadas pelo governo é elevar a taxa de juros. O que isto ocasiona? Com os juros mais altos, vai ter menos dinheiro em circulação, desta maneira, vai haver menos consumo, o que vai ocasionar a queda nos preços. Mas leva um tempo até a economia se ajustar à nova realidade”, explicou.

De acordo com Celso, não dá para apontar com certeza os itens que vão apresentar uma queda ou uma baixa no preço. Mas ele adianta que algumas áreas já sinalizam que vão sofrer um aumento em 2016. Segundo ele, educação e combustíveis pode apresentar alta nos preço para o próximo ano.

“O que já foi sinalizado é que os combustíveis devem continuar subindo e também as mensalidades nas escolas privadas, que devem ter um aumento de cerca de 15%”, finalizou.

Relacionadas