segunda, 16 de setembro de 2019
Economia
Compartilhar:

Custo dos alimentos apresentou queda em João Pessoa, diz pesquisa do Dieese

Ellyka Gomes / 05 de julho de 2019
Foto: Arquivo
O custo da cesta básica em João Pessoa retraiu 1,20% em junho, na comparação com o mês anterior. O tomate e feijão carioquinha registraram queda pelo segundo e terceiro mês consecutivo, respectivamente, mas ainda acumulam as maiores altas dos últimos 12 meses. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, divulgada nessa quinta-feira (4) Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A lista de alimentos essenciais custou, em média, R$ 309,72 para os pessoenses, representando 43,43% do salário mínimo. A cesta acumula alta de 15,50%, nos seis primeiros meses do ano, e de 13,99% nos últimos 12 meses.

Entre junho e maio, o preço da farinha aumentou 7,89% em João Pessoa. Outros sete itens também sofreram alta no período: banana (3,36%), manteiga (2,94%), açúcar refinado (2,33%), leite integral (1,87%), arroz (1,76%), pão francês (0,80%) e carne bovina de primeira (0,57%).

Os produtos que apresentaram retração na Capital no mesmo período foram: feijão carioquinha (-13,91%), tomate (-6,37%), café em pó (-3,97%) e óleo de soja (-1,54%). Embora o feijão tenha apresentado redução, o produto acumula alta de 55,45% em 12 meses, e o tomate, 51,55%.

O pessoense que recebe um salário mínimo precisou 87 horas e 53 minutos para comprar a cesta básica. O Dieese estimou que o salário mínimo necessário para atender todas as despesas de um trabalhador e da sua família seria de R$ 4.259,90 em junho, isto é, 4,27 vezes o atual vigente. Já em junho de 2018, o valor necessário foi de R$ 3.804,06, ou 3,99 vezes o salário mínimo, que era de R$ 954,00.

O valor é elaborado com base na cesta básica mais cara e considerando a determinação constitucional, que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

Relacionadas