terça, 24 de novembro de 2020

Economia
Compartilhar:

Após reajuste, conta de energia fica mais cara e sobe seis vezes mais que a inflação

Érico Fabres / 31 de janeiro de 2018
Foto: Reprodução
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nessa terça-feira (30), o Reajuste Tarifário da Energisa Borborema (EBO) que valerá a partir de domingo (3). O efeito médio a ser percebido pelo consumidor é de 18,21%. O aumento médio é seis vezes maior que a inflação dos últimos 12 meses, calculado em 3%. A Energia Paraíba já havia reajustado o preço da tarifa para os moradores de outras cidades paraibanas, entre elas João Pessoa, Bayeux e Santa Rita, em média, em 14%. Esse reajuste foi autorizado pela agência no final de agosto do ano passado.

Já a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) apresentou no dia 18 de janeiro a proposta de aumentar a tarifa de água em 2,9% neste ano. A proposta foi apresentada em audiência pública realizada na Agência de Regulação do Estado da Paraíba (ARPB). Caso aprovada pela ARPB, o reajuste passa a valer após publicação no Diário Oficial do Estado. A avaliação do reajuste pela agência leva em média 30 dias.

Motivos

De acordo com a empresa, os principais motivos para a correção da tarifa são os itens relacionados à geração, como a compra de energia e o serviço de transmissão. Os dois itens compõem a PARCELA A, que são custos não gerenciáveis pela distribuidora. A empresa salienta que o serviço de distribuição de energia da Energisa Borborema, conhecido como PARCELA B, teve redução de 0,46%. O reajuste tarifário é um processo regulado pela Aneel, previsto no contrato de concessão da empresa. Estes contratos apresentam regras bem definidas a respeito das contas de luz, bem como a metodologia de cálculo dos reajustes.

A tarifa final do consumidor contém 42,80% em encargos e impostos e tributos (ICMS, PIS/Cofins) incidentes. Com o reajuste da operadora, uma conta de energia que era cobrado R$ 100,08 passa a pagar R$ 111,56.

Relacionadas