domingo, 15 de setembro de 2019
Economia
Compartilhar:

Comitiva da PB vai à China discutir parcerias e investimentos

Ellyka Gomes / 30 de junho de 2019
Foto: Divulgação
Uma comitiva paraibana liderada pela vice-governadora Lígia Feliciano embarca para China na próxima terça-feira. A viagem é mais uma etapa do protocolo de intenções assinado pelo governador João Azevêdo com investidores chineses e americanos para a construção de um estaleiro de reparos navais em Lucena, no Litoral Norte da Paraíba.

Entre as atividades previstas, destaque para a visita às instalações do estaleiro operado pela IMC YY, mesma empresa que irá administrar o equipamento na Paraíba.

O grupo desembarca em Pequim - Capital da China - na quarta-feira. A agenda oficial começa no dia seguinte, com uma reunião com o embaixador do Brasil na China, Paulo Estivallet de Mesquita. Ainda na quinta, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) vai levar a comitiva paraibana para conhecer as instalações de empresas chinesas. Essas visitas devem continuar na sexta-feira.

“A intenção é apresentar a Paraíba para essas empresas”, frisou o secretário de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico, Gustavo Feliciano, um dos integrantes da comitiva paraibana que vai à China.

“Elaboramos um portfólio de produtos. Queremos abrir caminho para exportação dessas mercadorias, bem como despertar o interesse dessas empresas em abrir indústrias no nosso Estado”, comentou.

Na segunda, dia 8, a missão oficial embarcará para a cidade de Zhoushan (pronuncia-se “zuxan”), sede do estaleiro operado pela IMC YY, localizado na província de Zhejiang (“jeixan”). O equipamento ocupa uma área de aproximadamente de 457 mil metros quadrados e dispõe de oficinas de aço e equipamentos; maquinário e elétrica; reparo de ancoragem; auxiliar de reparação de navios; e pré-tratamento de chapa de aço.

O grupo paraibano vai se reunir com representantes das empresas que formam essa cadeia de suprimentos do estaleiro. No dia nove, estão previstas visitas ao escritório do governo local e ao Porto de Zhoushan. A missão oficial vai apresentar para empresários chineses dos setores de pesca, turismo e infraestrutura uma cartilha de oportunidades composta por projetos que poderão ser desenvolvidos por meio de parcerias público-privadas.

Estão na lista: um terminal de passageiros em Cabedelo; uma ponte para interligar as cidades de Cabedelo e Lucena; um terminal de múltiplos usos; a reativação do terminal pesqueiro (atualmente inativo para pesca industrial) e da malha ferroviária Cabedelo-Cajazeiras; e dois polos industriais, sendo um em Lucena e outro em Cabedelo.

“A pesca é considerada um dos maiores interesses dos chineses. Possivelmente, os projetos desse setor comecem a ser executados antes que o estaleiro de reparos navais”, destacou o consultor internacional Roberto Braga, que representa a McQuilling na Paraíba - principal investidora do estaleiro em Lucena. Outra pauta importante da missão oficial deverá ocorrer na cidade de Hangzhou (“rangjú”), onde a comitiva deverá se reunir com empresários chineses do setor de energia eólica e solar.

“A IMC YY não viria operar o estaleiro na Paraíba se não fosse pelo espírito chinês”, ressaltou Braga, se referindo ao fato de que os empresários chineses têm a visão de que um investimento sozinho não é vantajoso e costumam se associar a outros interessados em contribuir para o desenvolvimento de uma região.

"A Paraíba tem um grande potencial para produção de energia renovável... Vamos apresentar esse material para empresas do setor e, assim, atrair investimentos para o Estado." - Gustavo Feliciano, secretário de Turismo

Empresários virão à PB



No fim de julho, os empresários chineses vêm ao Brasil para uma missão oficial em Brasília e na Paraíba. Os investidores devem vir acompanhados por outros empresários da China dispostos a assumir o investimento do estaleiro e em outros projetos no Estado.

Para Braga, após essa visita dos chineses, é torcer para que o País ofereça a segurança mínima para que os investimentos possam, de fato, se concretizar. “Esse projeto do estaleiro vem se desdobrando desde 2013. É um trabalho que exige paciência, mas que, uma vez amarrado, vai trazer um futuro grande para a Paraíba”.

Na sexta (28), a reportagem tentou entrevistar a vice-governadora Lígia Feliciano sobre a agenda da comitiva paraibana na China. No entanto, a assessoria de imprensa da vice-governadora informou que ela estava em reunião e não poderia conversar com o CORREIO até o fechamento desta edição.

“Queremos também trazer informações sobre escolas técnicas especializadas para capacitação de mão de obra para a construção e a operação do estaleiro. Esse empreendimento vai gerar centenas de empregos, e esperamos capacitar os paraibanos para que eles estejam aptos a ocupar essas vagas e, assim, não seja necessário exportar mão de obra estrangeira para execução do projeto” – secretário de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico, Gustavo Feliciano.

Comitiva paraibana que vai à China

Vice-governadora Lígia Feliciano;

Secretário de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico, Gustavo Feliciano;

Presidente das Docas, Gilmara Temóteo;

Diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento da Paraíba (Cinep), Rômulo Polari Filho;

Secretário de Desenvolvimento de Indústria e Comércio de Lucena, José Maria Pereira;

Deputado estadual Chió;

Presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação do Álcool da Paraíba (Sindalcool-PB), Edmundo Barbosa.

Plano Diretor de Lucena



Enquanto as negociações em torno do estaleiro avançam, a Prefeitura de Lucena corre contra o tempo para atualizar o Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal. O código que apresenta diretrizes para o crescimento ordenado da cidade foi aprovado em 2001, por meio da Lei Municipal Nº 424/01, e não prevê uma série de zoneamentos, fundamentais com a chegada de um estaleiro de reparos navais.

Segundo o secretário de Planejamento de Lucena, Marcelo Pimentel, o novo documento irá incluir a instalação de parque industrial, com área de 170 hectares de terra, para que as empresas que formam a cadeia de suprimentos do estaleiro possam se instalar. “A Cinep está nos ajudando com a minuta do projeto. A primeira reunião deve ocorrer até o próximo dia 15”, revelou Pimentel.

Além do parque industrial, o Plano Diretor vai trazer novo zoneamento para delimitação de áreas industriais e comerciais; irá incluir o Projeto Orla, que trata da requalificação da orla; e um capítulo voltado para a mobilidade urbana, uma vez que a instalação do estaleiro deverá mudar e intensificar o trânsito da cidade.

O secretário afirmou que o novo Plano Diretor deverá ser aprovado até o final do ano. “Leva, em média, três meses para a Câmara dos Vereadores analisar o projeto. Acreditamos que até dezembro ele seja aprovado”, destacou. A expectativa da McQuilling - principal investidora do estaleiro em Lucena – é de que a construção do estaleiro comece no início de 2020.

Sobre o estaleiro

Durante a construção: 3 mil empregos;

Em operação: 1,5 mil empregos diretos; e 4,5 mil indiretos;

Empresa que lidera o investimento: McQuilling Partners (americana);

Empresa operadora do estaleiro: IMC YY (chinesa);

Investimentos

Valor total do projeto: US$ 962 mi ou aproximadamente R$ 3,5 bi;

E já conta com:

US$ 570 mi (R$ 1,2 bi), apoiados pelo Fundo da Marinha Mercante (FMM) e U$$ 200 mi (R$ 800 mi) pelo Banco do Nordeste.

Relacionadas