terça, 13 de abril de 2021

Economia
Compartilhar:

Caixa reabre pró-cotista para compra de imóveis com crédito mais barato

Redação / 03 de janeiro de 2018
Foto: Reprodução
A Caixa Econômica Federal retomou nessa terça-feira (2) a linha de empréstimo imobiliário Pró-Cotista e elevar de 50% para 70% a cota do financiamento de imóveis usados. Passando por grave escassez de recursos, o banco suspendeu a linha no primeiro semestre de 2017 e reduziu o teto (antes de 60% ou 70%) para usados em setembro.

Segundo a reportagem, o vice-presidente de Habitação do banco, Nelson de Souza, disse que a linha está sendo retomada porque os valores são pequenos e não demandam reserva elevada de capital do banco, mas admitiu que os recursos deverão se esgotar rapidamente diante da demanda. A Pró-Cotista, destinada a trabalhadores com conta no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), é a linha mais barata após o Minha Casa Minha Vida, com taxas de juros que variam de 7,85% (clientes com débito em conta ou conta-salário) a 8,85% ao ano.

A modalidade foi muito procurada nos últimos anos devido à falta de recursos de fontes com taxas equivalentes, como a caderneta de poupança. A participação da Pró-Cotista no total de financiamento imobiliário concedido pela Caixa saltou de apenas 1% em 2014 para 13% até junho de 2017. O aumento no teto de financiamento para imóveis usados, por sua vez, vale para contratos pelo SAC (Sistema de Amortização Constante), em que o valor das parcelas cai ao longo do tempo. Para unidades novas, não houve alteração e o percentual foi mantido em 80%.

Boas perspectivas

O diretor executivo do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon-JP), João Henrique de Almeida, afirmou que as expectativas são boas. “Juntamente com a melhoria da economia que outros setores vêm demonstrando, a exemplo de veículos e alimentos, esperamos que a retomada atinja a construção civil. “O fechamento do negócio acaba sendo mais ágil e fácil porque o FGTS é gerenciado pela Caixa. Então, a parte que cabe ao comprador era mais fácil de ser obtida”, argumentou.

Relacionadas