segunda, 12 de abril de 2021

Economia
Compartilhar:

Brasileiro trabalha até esta sexta-feira só para conseguir pagar impostos, diz ACSP

Érico Fabres / 01 de junho de 2017
Foto: Divulgação
A comemoração do Dia da Liberdade de Impostos (DLI) é nesta quinta-feira (1º), quando alguns estados realizam promoções de venda de produtos sem a cobrança de tributos, seja de um veículo que pode ter um desconto de R$ 15 mil ou da gasolina, que pode ser adquirida a menos de R$ 2. Porém o paraibano, assim como o restante dos brasileiros, só se ‘livrará’ dos impostos nesta sexta-feira (2). De acordo com a Associação Comercial de São Paulo, o trabalhador, em 2017, tem que trabalhar 153 somente para pagar as taxas, ou seja, até 2 de junho. Até a quarta-feira (31), o total arrecadado chegava a R$ 911,4 bilhões, sendo R$ 6 bilhões na Paraíba.

Com o dinheiro arrecadado até esta sexta-feira (2) (cerca R$ 925,7 bilhões), seria possível pagar um salário mínimo (R$ 937) a 987,9 milhões de brasileiros. O valor é equivalente 19.993 PIBs da Paraíba (2013, o último divulgado, de R$ 46,3 milhões) e equivale a 14,7% do PIB do Brasil em 2016 (total de R$ 6,3 trilhões).

Atualmente, trabalha-se o dobro do que na década de 1970 para pagar impostos. O Brasil figura na lista dos países que possuem uma das maiores cargas tributárias do mundo.

Dia da Liberdade de Impostos só para os outros

Para marcar a 9ª edição do Dia da Liberdade de Impostos, mil lojas e dez shoppings em todo território nacional vão oferecer produtos com até 80% de desconto. A Paraíba ficou de fora, mais uma vez. Postos de gasolina também vão aderir à ação da CDL Jovem com a venda de 100 mil litros de combustível com cerca de 40% de desconto. Os preços, bem abaixo dos praticados normalmente, equivalem ao valor dos impostos embutidos nos produtos.

“A CDL Jovem resolveu criar esse movimento com uma forma de mostrar a alta carga de impostos que pagamos e fazer um alerta para que essa carga tributária seja revertida para a população. É complicado viver em um país onde 40% do salário do trabalhador se destina ao pagamento de impostos, ou seja, o consumidor trabalha cinco meses para pagar impostos e não tem o retorno nas estradas, nas ruas, na saúde e na educação. Isso precisa mudar”, ressaltou a coordenadora da CDL Jovem do Ceará, Fabiana Lucas.

Relacionadas