terça, 24 de novembro de 2020

Economia
Compartilhar:

Amigo secreto é aposta para gastar menos com presentes

Érico Fabres / 08 de dezembro de 2015
Foto: Arquivo
Mesmo que 86% dos consumidores brasileiros participem das celebrações de final de ano, com um gasto médio de R$ 197, muita gente vai ficar sem dar presente para amigos ou familiares em função da crise econômica para não aumentar mais esse valor.

Para não abrir mão de ter um Natal sem a tradicional troca de presentes, uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostrou que seis em cada dez brasileiros (65,6%) costumam participar de amigo secreto, sendo que para 30,6% a principal justificativa é a economia de dinheiro que a brincadeira proporciona.

Por outro lado, o levantamento indica que 21,1% dos entrevistados não pretendem participar da brincadeira por estarem sem dinheiro.

A pesquisa mostra que mesmo com a economia em crise, no final de ano não devem faltar presentes e comemorações de Natal, sendo que 62% das pessoas revelaram que comprarão roupas ou calçados novos para usar nas celebrações.

Compras devem ser bem planejadas

Para o educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli, as compras de fim de ano devem ser bem pensadas e planejadas para não impactar negativamente no orçamento dos consumidores brasileiros. “O amigo secreto, ou amigo oculto, como também é conhecido, é uma ótima oportunidade para driblar os efeitos da crise econômica e economizar sem abrir mão do ato de presentear, já que é comum estabelecer um limite para o valor a ser gasto”, explica.

Na média, cada brasileiro partici pará dois amigos secreto no final do ano e vai gastar um valor médio de R$ 51,10, sendo que 43,6% dos entrevistados ainda não definiram essa quantia. Vignoli indica que “a estratégia de estipular uma quantia acessível a ser gasta pelos participantes faz com que o foco esteja na criatividade e no desejo de agradar o presenteado, e não no valor financeiro”.

Leia mais no jornal Correio da Paraíba

Relacionadas