terça, 26 de janeiro de 2021

Economia
Compartilhar:

64,03% dos paraibanos pretendem presentear as mães

Edson Verber / 04 de maio de 2017
Foto: Rafael Passos
A intenção de compras no Dia das Mães aumentou em 4,86% em 2017 em relação a 2016, passando de 59,17% para 64,03%. Os itens de vestuário são os presentes preferidos e com a maioria das compras (48,15%) sendo realizadas em shoppings. A forma de pagamento informada pelos consumidores pela maioria será à vista (54,94%).

Os dados são da pesquisa de intenções de compra para o Dia das Mães - considerada a segunda melhor época de compras pelos comerciantes, ficando atrás apenas das comemorações de fim de ano. O levantamento foi realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas Econômicas e Sociais da Paraíba.

Ao analisar os dados, o presidente da Fecomércio Paraíba, Marconi Medeiros, destacou que “alguns fatores contribuíram com este significativo aumento, a exemplo da queda da inflação, aumento da confiança do consumidor e a liberação dos saques das contas inativas do FGTS, o que deixou os consumidores mais otimistas. Mas,para efetivação desta intenção de compras é importante que os empresários adotem medidas para atrair os consumidores, como promoções, melhores prazos de pagamento e diversificação de produtos”.

À pergunta, o que elas gostariam de ganhar? A maioria das mães gostaria de ganhar itens de Vestuário (26,79%); Eletrodomésticos e Eletroeletrônicos (16,67%), com destaque para Smartphones e Celulares (35,71%), Televisores (25%) e Refrigeradores (14,29%); Calçados (13,10%) e Perfumes (9,52%).

O gasto médio dos consumidores neste dia das mães deve ficar em torno de R$ 208,24, uma leve alta de 0,62% na comparação com o ano passado. A maior parte dos entrevistados (33,64%) estima um gasto entre R$ 51 e R$ 100, seguidos pelos que pretendem gastar entre R$ 101 a R$ 200 (29,01%) e os que pretendem gastar, no máximo, R$ 50 (15,43%). Segundo estes dados, os consumidores que gastarão até R$ 200 representa um total de 78,08%. Em relação aos presentes mais caros (acima de R$ 550), o percentual foi de 8,33%.

   


Pagamento


 


A maior parte dos entrevistados (54,94%) quer pagar suas compras à vista, dos quais 94,38% pretendem utilizar o dinheiro em espécie. Vale ressaltar que a escolha pelo pagamento à vista está diretamente ligada ao desconto oferecido pelos lojistas. As compras a prazo foram escolhidas por 44,75% do total, sendo 98,62% destas no cartão de crédito.               




Os shoppings mais uma vez ficarão movimentados na data, já que a maioria dos entrevistados (48,15%) pretende realizar as compras nestes locais, tendo em vista a diversidade de produtos, o conforto e a segurança. Porém, 41,05% pretende realizar as compras nas lojas do centro, enquanto 10,8%, em lojas de bairro e 7,72% prefere realizar as compras dos presentes pela internet.




Perfil           




A maior parte dos entrevistados é do sexo feminino (56,52%). Em relação ao estado civil, foi registrada uma maior parcela de solteiros (47,43%). Em relação a faixa etária, a maioria dos entrevistados possuem idades entre 18 e 25 anos (30,04%), e em nível de escolaridade, aparece em maior número os que concluíram o ensino médio (37,94%). No que condiz à renda, a maior parte dos respondentes (55,14) ganham até dois salários mínimos, seguidos pelos que ganham entre 3 e 4 salários mínimos (17,59%).


Vale ressaltar que 11,07% disseram não possuir rendimentos (não tem ocupação remunerada ou estão fora do mercado, dependentes financeiros ou estudantes). Para a maioria dos entrevistados (42,89%), a situação financeira pessoal continua a mesma em relação a 2016, seguidos pelos que consideram sua situação atual pior (37,56%, retração de 6,02p.p. em relação a 2016) e os que se consideram em uma situação melhor (22,93%, expansão de 4,78p.p. em relação a 2016).

Relacionadas