sexta, 27 de novembro de 2020

Economia
Compartilhar:

13º será usado para comprar presentes por 40%

Érico Fabres / 28 de novembro de 2015
Foto: Arquivo
Os meses de novembro e dezembro são sempre muito esperados devido às parcelas do 13º salário que caem na conta da maioria dos brasileiros. O prazo máximo para o pagamento da primeira parcela é até a próxima segunda-feira. O problema é saber usar esse dinheiro extra da melhor maneira possível. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que quatro em cada dez brasileiros (43%) irão utilizar ao menos parte do 13º para a compra de presentes de Natal.

Mas, uma enquete realizada pela reportagem do CORREIO apontou que os pessoenses optaram por poupar o salário extra, especialmente para se prevenir por causa de imprevistos. Para os especialistas do SPC Brasil, as compras de fim de ano devem ser bem pensadas e planejadas para não impactar negativamente no orçamento dos consumidores brasileiros.

Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o dinheiro do 13º deveria ser primeiramente pensado para pagar dívidas pendentes, empréstimos ou para investir. Se o consumidor tem apenas uma dívida em aberto, é mais fácil resolver o problema. Caso exista mais de uma, o ideal é escolher aquela que está atrasada ou optar pelo valor com juros mais altos como, por exemplo, cheque especial e cartão de crédito”.

Economista orienta para não parcelar

Para a economista Marcela Kawauti, “caso o consumidor realmente queira utilizar o 13º para a compra de presentes para a família e amigos, a dica é não dividir em muitas parcelas, para não sobrecarregar o orçamento com as contas de início de ano, e também comprar presentes mais baratos, as famosas lembrancinhas”, explica Kawauti. “Com o dinheiro na mão, o ideal é fugir dos parcelamentos e negociar descontos atrativos nas lojas, preferencialmente pagando à vista.”

O educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli, também acredita que se educar financeiramente não é deixar de comprar presentes e fazer uma ceia, mas sim escolher lembranças criativas e que estejam dentro do seu orçamento.

“A palavra-chave é organização. Primeiro, faça uma lista de pessoas que deseja presentear e comece a pesquisar valores das lembrancinhas de Natal. Depois, defina um limite de gastos e respeite-o. Neste caso, trocar os presentes para a família toda pelo amigo secreto pode ser uma boa forma de economizar dinheiro”, diz.

Relacionadas