quarta, 17 de julho de 2019
Televisão
Compartilhar:

Elas no holofote: melhores da TV valorizou temática feminina

André Luiz Maia / 19 de setembro de 2017
Foto: Divulgação
Uma série sobre o futuro distópico em que mulheres são tratadas como escravas ou como meras encubadoras reprodutivas. Outra sobre violência doméstica e sobre as pequenas sujeiras escondidas debaixo do tapete por trás de uma vida aparentemente perfeita. As grandes vencedoras do Emmy Awards este ano, as séries The Handmaid's Tale e Big Littler Lies, trazem as mulheres e suas questões para o centro do debate.

Cada uma arrematou cinco prêmios cada, mas The Handmaid's Tale conseguiu um feito histórico: é a primeira série produzida por um serviço de streaming a conquistar a principal categoria da noite, melhor série dramática. A pequena Hulu, que ainda não está em atividade no Brasil, conseguiu o prêmio inédito antes mesmo da Netflix, que domina o mercado de produções audiovisuais transmitidas pela internet.

O seriado também abocanhou outro prêmio importante da noite, o de melhor atriz dramática. A atriz Elisabeth Moss já chegou a ser reconhecida várias vezes pela premiação por seu trabalho no seriado Mad Men, no qual interpretava a persistente Peggy, chegando quase lá cinco vezes na categoria de coadjuvante. Sua performance como Offred foi elogiada pela crítica, em uma das séries mais aclamadas do ano, ao lado de Big Little Lies.

A disputa na categoria de minissérie parecia acirrada, já que Susan Sarandon impressionou com a caracterização de Bette David em Feud: Bette and Joan. No entanto, o trabalho de Nicole Kidman como Celeste, em fortes cenas de violência doméstica e psicológica, cativaram os votantes, garantindo o primeiro grande prêmio na televisão à atriz consagrada nas telonas de cinema.

A HBO, produtora de Big Littler Lies, no entanto, teve algumas “baixas” esse ano. A sétima temporada de Game of Thrones, que normalmente domina as nomeações, foi exibida um pouco mais tarde em 2017, fazendo com que ela seja elegível apenas em 2018. Com a ausência, impressionou o espaço reservado para outro seriado do canal, Westworld, com 22 indicações. No entanto, ele acabou não levando nenhuma das estatuetas. Ainda assim, a série é uma das grandes apostas da HBO para suprir a carência de Game of Thrones, que se encaminha para seu fim.

No final, foi uma premiação que valorizou a temática e o trabalho de mulheres, até mesmo em situações pouco usuais. A produção do seriado Black MIrror decidiu inscrever o episódio San Junipero, que conta a história de um romance lésbico em um programa de simulação de computador, na categoria de melhor telefilme. Não deu outra.

Relacionadas