domingo, 18 de agosto de 2019
Teatro
Compartilhar:

Eulina Barbosa escreve e atua no monólogo ‘Devaneios’

André Luiz Maia / 03 de maio de 2019
Foto: Divulgação
As memórias de infância do ambiente familiar normalmente servem de combustível para a criação de um espetáculo teatral. No caso de Devaneio, monólogo de Eulina Barbosa, os desejos e frustrações dos adultos entrelaçadas com a perspectiva das crianças constroem uma narrativa fragmentada e psicológica.

Na história, Eulina interpreta Dalva, uma mulher sonhadora. Amores e decepções amorosas fazem parte de sua teia de memórias e desejos. Apesar disso, ela não perde a esperança de, um dia, conseguir concretizar aqueles sonhos, mesmo que tudo não passe de um devaneio, uma válvula de escape para uma realidade nada cor-de-rosa. A direção do espetáculo, uma montagem da Braúnas Produções Culturais, é do diretor José Maciel, o mesmo de Anáguas.

A peça surge como um exercício de escrita e observação de Eulina, que também assina a dramaturgia. “Eu queria muito, de alguma forma, homenagear os meus tios. A maior parte da minha infância foi com eles, já que meus pais trabalhavam. Eu e minhas irmãs ficávamos aos cuidados deles. Foi uma forma de homenageá-los em vida”, contextualiza a atriz.

A convivência fez com que ela observasse uma série de eventos e também ouvisse as histórias das duas tias e de seu tio. No entanto, algo a intrigava. “Eles nunca falavam das vontades, dos desejos deles. Eles tinham sonhos e não podiam realizá-los. Havia uma vontade, mas ao mesmo tempo uma inércia. Eu me perguntava o que fazia uma pessoa não realizar seus sonhos, já que isso me incomodava bastante”, afirma Eulina.

Vindas do interior, Eulina e suas irmãs se mudaram para a capital, deixando de conviver com os tios. Isso mudou nos últimos dois anos, já que os três vieram para a cidade parar morar com os pais de Eulina. Agora idosos, eles continuaram a relembrar acontecimentos do passado, mas também trouxeram consigo a perspectiva do passar dos anos, dando mais camadas às suas próprias narrativas.

Eulina começou a anotar algumas dessas lembranças, como espécie de diário de bordo, resultando em um material rico. Era o momento de montar o quebra-cabeças e transformar aquilo em uma narrativa. “É um espetáculo em construção ainda, pois toda vez que me apresento, descubro algo novo”, comenta.

"Eu e minhas irmãs sempre lembrávamos das histórias dos meus tios e víamos potencial, mas só com o tempo começou a virar uma peça" falou Eulina.

Devaneios

Da Braúnas Produções Culturais

Texto e atuação: Eulina Barbosa. Direção: José Maciel.

Sexta a domingo, às 20h; domingo, às 19h.

Teatro Lima Penante (Av. João Machado, 67, Centro, João Pessoa – 3221.5835)

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

 

Relacionadas