sábado, 16 de novembro de 2019
Show
Compartilhar:

Zé Ramalho reinterpreta sua obra com a Orquestra Sinfônica da Paraíba

André Luiz Maia e Lucilene Meireles / 05 de agosto de 2016
No aniversário de 431 anos de João Pessoa, um dos maiores cantores e compositores paraibanos presenteia a cidade com uma performance ao lado do corpo sinfônico do nosso estado. Zé Ramalho canta alguns de seus maiores sucessos ao lado da Orquestra Sinfônica e da Sinfônica Jovem da Paraíba, no Teatro Pedra do Reino.

O concerto, que também poderá ser assistido em dois telões instalados no hall de entrada do teatro, terá a regência do maestro titular de ambas as sinfônicas, Luiz Carlos Durier. Ao todo, são 138 músicos empenhados na missão de dar vida aos arranjos transpostos para uma roupagem sinfônica, além da banda do próprio Zé Ramalho, formada por Chico Guedes (baixo), Leo Torres (guitarra), Glauco Andreza (bateria) e Erick John (teclado).

"Nós deixamos a cargo do jovem Emanuel Barros, que completa 21 anos nesse 5 de agosto, traduzir as canções de Zé Ramalho para nossa orquestra, por seu talento e técnica excelentes, mas também por sua competência e sensibilidade ao transitar entre o popular e a música de concerto", elogia Luiz Carlos Durier.

O repertório oficial traz as músicas "Avôhai", "Vila do sossego", "Chão de giz", "Admirável gado novo", "Garoto de aluguel", "Jardim das acácias, "Beira-mar", "Canção agalopada", "A terceira lâmina", e "Eternas ondas". Mas o maestro já adiantou que tem duas canções preparadas para um possível bis: "Ave de prata" e "Banquete dos signos".

É a primeira vez que Zé Ramalho toca junto com uma orquestra. De acordo com o maestro, ele veio à Paraíba alguns dias antes da performance e ensaiou bastante. "Ele estava muito emocionado durante todo o processo. Acho que será uma apresentação linda", pontua. Na ocasião, haverá a gravação do espetáculo, que servirá como peça publicitária para promover a Paraíba como polo turístico do Nordeste.

Em contraponto ao som robusto da orquestra, o último lançamento de Zé Ramalho traz outra perspectiva às canções ao apresentá-las no formado voz e violão. Zé Ramalho, Voz e Violão – 40 Anos de Música é um lançamento do selo Discobertas e traz quatro discos, sendo um DVD, com essa revisita ao repertório clássico do paraibano.

Nos primeiros dois discos, gravações recentes em estúdio nesse formato minimalista, enquanto um terceiro inédito revela gravações realizadas há 20 anos, em um projeto comemorativo que acabou não sendo lançado oficialmente, em versões remasterizadas de canções como "ABC do Sertão", "Frevo mulher", "Medo da chuva", de Raul Seixas, e "Batendo na porta do céu", sua versão para "Knockin' on Heaven's door", de Bob Dylan.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Zé Ramalho comentou sobre o lançamento. "As músicas estão mais maduras, no modo de cantar e tocar. Minha voz ficou mais grave, mas não precisei mudar os tons originais. As versões atuais estão um pouco mais lentas e soltas".

Fila pelo ingresso

Quem queria garantir um ingresso para o show enfrentou uma longa fila que fez volta no quarteirão do Espaço Cultural. Teve fã que chegou às 3h da madrugada para garantir a entrada no evento. 2 kg de alimentos valia um convite.

O estudante de Direito, Arthur Pereira da Costa, chegou às 6h30 e, até as 9h30 ainda não tinha conseguido entrar. “A espera vale a pena”, afirmou.

O secretário de Cultura da Paraíba, Lau Siqueira, destacou que a apresentação não se trata apenas de um concerto, mas um vídeo que será gravado em um dos maiores teatros da América Latina, o Pedra do Reino.

Relacionadas