sábado, 05 de dezembro de 2020

Música
Compartilhar:

Júnior do Cavaco e Ditelles Araújo se apresentam no Sabadinho Bom

Da redação com Secom/JP / 26 de novembro de 2015
Foto: Divulgação
O “Sabadinho Bom”, que acontece semanalmente na Praça Rio Branco, no Centro de João Pessoa, irá apresentar neste sábado (28) o guitarrista Ditelles Araújo e o músico Júnior do Cavaco. Com oito álbuns gravados (sendo dois em Londres e dois com o lendário produtor musical João Araújo, pai de Cazuza e fundador do selo Som Livre), Ditelles vai deixar de lado a vertente nordestina e MPB que o acompanharam em quatro décadas de carreira para investir no samba.

Ditelles fará o “segundo tempo” do projeto, depois da apresentação de Júnior do Cavaco, um veterano da cena local do samba. O Sabadinho Bom acontece das 11h30 às 16h.

 Júnior do Cavaco  

Há 14 anos na estrada, quase metade tocando samba e pagode, Júnior do Cavaco apaixonou-se pelo chorinho nos últimos anos e vem se aperfeiçoando no gênero imortalizado por Pixinguinha e Jacob do Bandolim.

Às 11h30, ele sobe ao palco do Sabadinho para tocar canções como “Choro negro” (Paulinho da Viola), “Frevo de rua” (Nino Pernambuco),“Evocação a Jacob” (Avena de Castro), “Um a zero” (Pixinguinha/Benedito Lacerda), “Saxofone por que choras?” (Ratinho), “Perigoso” (Orlando Silveira),“Um tom para Jobim” (Sivuca), “Araponga” (Luiz Gonzaga) e o baião autoral “Saudade de Dominguinhos”, que intitula o seu primeiro CD, ainda em fase de produção.

Ditelles Araújo

Irmão mais novo da cantora Gracinha Teles, Ditelles acumula uma longa trajetória na música. Contemporâneo (e parceiro de discos) da safra de Lula Côrtes, Alceu Valença e Accioly Neto, o campinense começou a carreira nos idos de 1970, em Recife, cantando em programas de rádio e TV.

Atuou em bandas de baile e cumpriu o circuito noturno de bares estilo banquinho-e-violão em Pernambuco até se mudar, em 1980, para São Paulo, onde trabalhou dando aulas, compondo e investindo no mercado de jingles por 20 anos. Desta época, gravou os LPs “Primeira Cantoria Nordestina” (1978) e “Dois Encontros no Agreste” (1983).

“Neste show, vou interpretar sucessos de João Gilberto, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, João Bosco e Gonzaguinha”, anuncia, sem se furtar de autorais sobre as quais ainda está trabalhando para a seleção de repertório.

Relacionadas