quinta, 27 de junho de 2019
Música
Compartilhar:

Dorival Caymmi celebra parceria com Paulo César Pinheiro no ‘Voz de Mágoa’

Kubitschek Pinheiro / 24 de junho de 2017
Foto: Divulgação
Dorival Tostes Caymmi, o Dori Caymmi, está de volta ao Brasil e, desta vez, para ficar. Por 26 anos ele morou em Los Angeles, onde tinha um estúdio em seu apartamento. A outra novidade é o CD Voz de Mágoa, com canções inéditas de Paulo Cesar Pinheiro: 13 letras musicadas por Dori, celebrando 45 anos de parceria, e três outras faixas.

"Viver na fazenda" e a canção que dá nome ao disco, foram apresentadas por Maria Bethânia no show Abraçar e Agradecer. “A Bethânia quando viu as canções gostou muito e quis gravar. Agora elas chegam em minha voz”, disse ele, pelo telefone, ao CORREIO.

“Voltei sim e com muita alegria. Aqui é o meu país. E não voltei para o Rio, achei muito caro os imóveis e compramos uma casa em Petrópolis, perto de uma floresta linda. De manhã a gente passeia pelos riachos”, diz ele

Em Los Angeles ele produziu vários discos, pelo selo de Quincy Jones, como Dory Caymmi (1988), Brazilian Serenata (1990) e Kicking Cans (1992). E fez outros para o Japão e o mercado europeu. “Foi um tempo muito bom, trabalhei muito e com músicos fantásticos, mas estava mais do que na hora de retornar ao Brasil e continuar minha produção por aqui”.

Ao escutar Dori Caymmi cantando “Sombra”, “Preta velha”, “São Bento”, “Mudança de lua”, a impressão é de que ele está cantando as canções feitas pelo seu pai, Dorival Caymmi, pela mistura de imagens, signos e recordações.

“É parece mesmo. Vendo meu pai cantando as canções interioranas, até as canções do mar, sinto a presença dele nesse disco. Foi papai que inventou no Brasil esse formato de voz e violão, com seu clássico Canções Praeiras, de 1954. A gente tem essa aproximação, eu e Paulinho, esse legado. Era tão bom ouvir meu pai tocar e cantar, ele e seu violão: o retrato do Brasil”, recorda.

O casamento artístico de Dori Caymmi com Paulo César Pinheiro vem de longe, desde 1969, quando eles fizeram juntos a primeira canção “Evangelho”. “Sim, são muitas bodas: estamos chegando as bodas de ouro. O importante é que depois que papai faleceu ficamos mais próximos e produzimos muito”, lembrou.

As três outras faixas do disco são “Serra do Espinhaço”, a única em parceria com Fernando Brant, “No coração das procelas”, da lavra do bandolinista Pedro Amorim e do letrista Paulo Frederico, e “Me leve embora”, onde Dori revisita o universo de Jorge Amado, musicando um poema do autor baiano.

O poema musicado por ele foi lançado na voz de Ivete Sangalo, na trilha sonora da nova versão da novela Gabriela (2012). “Ela deu um show, com a imensa voz. A Ivete é uma grande cantora brasileira. E eu gostei de muito de cantar agora no meu disco”, afirma.

A primeira vez que Dori Caymmi colocou melodia num poema de Jorge Amado, foi para Djavan cantar: “Alegre menina”, que, por coincidência, saiu justo na trilha sonora da primeira versão de Gabriela (1975). Dori veio gravar essa canção em CD muito tempo depois.

A faixa “Mina d´água" fala de caminhos, moinhos, água nova cristalina e uma moça cantando na beira da fonte. Segundo ele, essa moça, essa fonte, é mais que um caminho: “Sim, essa canção É profunda, quase uma terapia, esse caminho de poesia”, explica.

A canção “Sombra”, merece um clipe e ele vai além. “Um clipe ou um filme. Nunca vi tanta beleza numa letra, ela retrata o escuro. Essa canção tem uma força imensa: a sombra por si só tem sua força”, diz ele.

Dori disse que não demorou para colocar as melodias nos poemas de Paulo Cesar Pinheiro. Ele conta: “Não demorou não, talvez tenha demorado fazer a seleção. Eu fui lendo e pensando em cada uma. Peguei o violão e comecei a trabalhar. Minha mulher (Helena) mandava as melodias lá de Los Angeles para Luciana (a mulher de Paulo Cesar) pela internet e ele foi gostando e disco saiu assim, bem bonito”.

Luiz Eça. Dori Caymmi também participa de uma homenagem ao pianista, arranjador e compositor Luiz Eça, cabeça do Tamba Trio. Se estivesse vivo, Luizinho Eça estaria completando 80 anos.

Esse disco sai pela Biscoito Fino e reúne artistas como Edu Lobo, Toninho Horta e Zé Renato. Caymmi canta “Oferenda”, de Eça e Lenita Plonczynski, faz coro em “Tamba” e interpreta ”Búzios" (de Eça e Novelli) .

Relacionadas