terça, 13 de abril de 2021

Música
Compartilhar:

Alceu Valença faz show nesta sexta-feira no Teatro Pedra do Reino, em JP

André Luiz Maia / 29 de setembro de 2017
Foto: Divulgação
Alceu Valença está de volta a João Pessoa. Desta vez, ele traz o show Anjo de Fogo, turnê com a qual circula por todo o Brasil. De olho na repercussão que suas músicas estão tendo nas redes sociais, descobriu também por conta da internet um fato que ele próprio desconhecia: seu disco Cavalo de Pau foi o mais vendido da carreira, com mais de 2,5 milhões de cópias vendidas.

Em entrevista ao Correio, o cantor e compositor pernambucano adianta um pouco do que os paraibanos poderão conferir nesta sexta-feira (29) no Teatro Pedra do Reino. O show não se limita a ser uma compilação de seus grandes sucessos. Alceu pensou com cuidado cada momento do show, unindo canções através de eixos temáticos. “É um show que eu roteirizei por muito, muito tempo. É um show para teatro. Evidentemente, há músicas muito conhecidas pelo público, mas também tem canções como ‘Anjo de fogo’. Fiz isso porque o show é costurado por canções que se relacionam uma com a outra, está tudo conectado”, revela Alceu, em entrevista por telefone.

Às vezes essas conexões não se dão de maneira óbvia. Para exemplificar isso, Alceu conta a história por trás de uma canção muito conhecida pelos brasileiros, “Táxi lunar”, parceria com Geraldo Azevedo e Zé Ramalho. “Quando a compus, eu lembrava muito de quando eu vi a chegada do homem à Lua. Na época, eu estava na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, fazendo um curso chamado Sociologia do Desenvolvimento da América Latina”, relembra o músico. Conversar com Alceu é se preparar para entrar no que a literatura chama de fluxo de pensamento. Um pensamento puxa outro que desencadeia uma série de histórias curiosas.

Enquanto explicava “Táxi lunar" e a conexão dela com outra música, lembrou de uma situação engraçada que o levou a integrar o curso em Harvard. “Eu era estudante de Direito na época. Para fazer a seleção, todo mundo tinha que responder a umas perguntas. Eu apenas respondi a uma delas com uma poesia e fui pra lá”, completa. Retornando à música em questão, ele explica que, por conta da canção ser inspirada nesse momento específico da História, ele emendou com “Pagode russo”, de Luiz Gonzaga, criando assim uma referência divertida às tensões dos governos americano e soviético durante a Guerra Fria.

Outra canção que está no repertório é “Papagaio do futuro” – “uma música que eu defendi no Festival Internacional da Canção com Jackson do Pandeiro e Geraldo Azevedo”, acrescenta –, seguida de “Espelho cristalino”, em um segmento que fala sobre natureza e ecologia. “É um assunto que não era novidade para mim na época, já que meu pai era ecologista”, completa. Nessa busca por uma recapitulação da carreira com o show Anjo de Fogo, descobriu recentemente que Cavalo de Pau foi seu disco mais vendido, superando as 2,5 milhões de cópias. “Eu nunca olhei para números, sempre tive outras pessoas trabalhando comigo cuidando isso – às vezes cuidando muito mal (risos).

Até hoje eu não sou muito ligado nisso, com essa história de cartão eu esqueço de vez do dinheiro. Ontem mesmo peguei um táxi, esqueci que tava sem dinheiro. Tive que pedir uma grana emprestada pro dono da banca de jornal perto da minha casa que me conhece”, emendou Alceu, com mais uma de suas inúmeras histórias hilárias.

Grandes Sucessos

A produção de Alceu Valença confirmou o repertó- rio de músicas completo, que deve ser o mesmo da apresentação desta sexta-feira (29) à noite. A abertura é com a canção que dá nome ao projeto, “Anjo de fogo”. Em seguida, vem a sequência de músicas “Embolada do tempo”, “Papagaio do futuro” e “Espelho cristalino”. A sequência dedicada ao forró traz três músicas de Luiz Gonzaga: “Baião” e o medley com “Vem morena” e “Canto da ema”. Completando este bloco, Alceu insere uma canção autoral, o sucesso “Coração bobo”. Em outros momentos do show, ele canta “Cavalo de pau”, “Como dois Animais”, "Pelas ruas que andei”, “Solidão”, “Táxi Lunar" e mais uma de Luiz Gonzaga, “Pagode Russo". O show se encaminha para o fim com as faixas “Estação da Luz”, “Ciranda da rosa vermelha”. Para o bis, ele separou alguns de suas canções mais conhecidas: “Belle de jour", “Anunciação”, “Frevo Mulher" e “Tropicana”.

Relacionadas