terça, 16 de julho de 2019
HQ
Compartilhar:

Stan Lee, criador de Homem-Aranha e X-men, morre aos 95 anos

Renato Félix / 13 de novembro de 2018
Foto: Divulgação
Talvez muita gente o conheça como aquele velhinho que vive aparecendo em pontas nos filmes de super-heróis da Marvel. Mas poucas pessoas foram tão influentes em uma arte. O roteirista e editor Stan Lee é, com colaboradores, o criador de alguns dos personagens mais famosos dos quadrinhos – que, nos últimos anos, têm sido alçados também a campeões de bilheteria nos cinemas. Homem-Aranha, Homem de Ferro, Quarteto Fantástico, Hulk, Thor, Demolidor e os supergrupos X-Men e Vingadores são alguns que levam sua assinatura. Lee, um ícone tão grande quanto os personagens que criou, morreu ontem, aos 95 anos, em Los Angeles.

Lee trabalhou, principalmente, com o desenhista Jack Kirby na criação de vários personagens que conseguiram rivalizar com Super-Homem, Batman e companhia (da rival DC Comics) e transformaram a Marvel Comics em uma potência do mundo dos quadrinhos.

Seus roteiros modernizaram a narrativa do gênero super-herói, com personagens mais realistas, com suas falhas e inseguranças e envolvidos por questões políticas e sociais do momento (no caso, os anos 1960). Com isso, Lee acabou por influenciar até a concorrente DC Comics, que teve que seguir seus passos e tornar suas histórias mais atuais.

Essa revolução começou com o Quarteto Fantástico, em 1961. No ano seguinte, já surgiu o Homem-Aranha (criação dele com o desenhista Steve Ditko), cuja identidade secreta era um adolescente tímido e pouco popular - como tantos leitores de gibi da época.

Ainda adolescente, em 1941, ele começou a trabalhar em histórias do Capitão América, criação de Joe Simon e Jack Kirby. Com Kirby, nos a nos 1960, ele traria o herói de volta após muitos anos sem ser publicado - para se tornar um sucesso até hoje.

Durante a década de 1960, ele promoveu a si próprio e aos desenhistas escrevendo editoriais (os quais assinava com um “excelsior!”) e falando de si mesmos nas histórias que produziam. Virou figurinha fácil em convenções de fãs e programas de TV, uma espécie de embaixador dos quadrinhos.

Não é surpresa que, quando os personagens começaram a estrelar grandes produções de Hollywood, Lee tenha passado a aparecer em pontas a la Alfred Hitchcock nesses filmes. Acabou se tornando familiar, também, para o público que não lia os quadrinhos.

Sua última aparição, segundo o registrado no site IMDb, foi em Venom (2018). Ainda não informações se ele filmou alguma participação no próximo Vingadores, já filmado e que estreia em maio.

Relacionadas