segunda, 28 de setembro de 2020

Artes
Compartilhar:

Fotógrafo Saullo Dannylck abre hoje a exposição ‘Alma Passageira’

André Luiz Maia / 14 de outubro de 2015
Foto: Saullo Dannylck
O imaginário popular acerca da vida sertaneja e a realidade. Com base nessa dicotomia, o fotógrafo paraibano Saullo Dannylck transformou uma inquietação em arte. A exposição Alma Passageira, que entra em cartaz hoje no hall da Aliança Francesa de João Pessoa, traz 30 fotos produzidas ao longo dos últimos cinco anos, capturando momentos únicos no interior da Paraíba.

As fotografias, expostas no tamanho 35 x 40 cm, trazem figuras humanas e paisagens naturais registradas durante momentos profissionais e de lazer de Saullo, que trabalha como diretor de fotografia em produções cinematográficas paraibanas. A curadoria é do também fotógrafo e cineasta Bertrand Lira.

A geografia física e humana do Sertão não é uma novidade para Dannylck, natural de Sousa. Ela é uma referência presente em suas memórias afetivas, relativas a um passado que não viveu efetivamente, mas que foi repassado por seus pais e avós. “Quando comecei a registrar essas imagens, eu estava me procurando. Era uma busca por nossas raízes, para saber o que retemos delas, compreender nossa identidade regional”, enfatiza Saullo.

De forma resumida, a inquietação de Dannylck gira em torno da seguinte questão: o que nós preservamos dessa cultura dita tradicional do Sertão? “Eu fiquei intrigado porque mesmo quando mostramos a figura de um vaqueiro com o gibão ou uma mulher com lata d’água na cabeça para um nordestino da área urbana, aquelas imagens parecem algo distantes de nós, algo exótico, embora sejam figuras sempre associadas à nossa região”, analisa.]

Leia mais no Jornal Correio da Paraíba. 

Relacionadas