domingo, 17 de janeiro de 2021

Espetáculo
Compartilhar:

Peça ‘Um Amor de Renúncia’ tem única apresentação no Teatro Paulo Pontes

Audaci Junior / 15 de março de 2017
Foto: Divulgação
“É a história de uma jovenzinha que se apaixona por um padre”, sintetiza Lucienne Cunha, diretora do espetáculo Um Amor de Renúncia, baseado no romance de época psicografado por Chico Xavier (1910-2002).

A peça terá única apresentação amanhã, às 20h, no Teatro Paulo Pontes do Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa.

Adaptado por Alberto Centurião, o romance proibido tem como pano de fundo o período histórico da Santa Inquisição, no Século 17. No elenco estão os atores Valdir Ramos, Thamires Silvestre e André Sakajiri. A realização é da Rama Kriya Produções (SP).

Por servir de base a obra Renúncia, psicografada através da mediunidade de Chico Xavier ditada pelo espírito de Emmanuel (que serve de narrador na peça), a diretora atenta que a encenação é – sobretudo – uma “linda história de amor”, independente de doutrinas e preconceitos.

“Nós fazemos teatro. Não existe preconceito quando você fala de uma peça baseada em Shakespeare ou em Machado de Assis. O espetáculo não é apenas focado no lado espírita”, adverte Lucienne Cunha. “É um romance que mostra o perdão, a família, o amor, os conceitos de época e o que essa época tem em relação a nossa. E tudo isso emociona”.

Como o romance original cobre uma saga de quatro décadas, a adaptação teatral faz um recorte da trama. “A heroína é Alcione. No livro, se conta várias histórias dentro da história dela. O que vemos na peça é apenas a história dessa heroína”, explica.

Em Um Amor de Renúncia são mais de 30 vestimentas, o que dependia de uma pesquisa intensa de tecido, costura e outros elementos por parte dos responsáveis pelo figurino, Alexandre Medeiros e Débora Munhyz. “É uma dramaticidade bem real do tempo”.

Tanto esse departamento quanto o enredo em si chega a atrair para o público os estudantes de moda, pesquisadores e professores de História, de acordo com a diretora.

Cenário. Essa admiração pelo espiritismo da diretora Lucienne Cunha vem de berço: seu pai, Clery Cunha, é cineasta de filmes como Joelma, 23º Andar (1979), um “cult espírita” protagonizado por Beth Goulart e baseado numa obra de Chico Xavier.

Primeira vez no Nordeste, a montagem Um Amor de Renúncia perdura há seis anos circulando pelo Brasil. “Parece até frase retirada de folhetim, mas sucesso é”, coloca a diretora. “Sucesso porque deixa de ser o comum do teatro, além do convencional de comédias e dramalhões”.

Lucienne conta que – apesar de ter alguma produção feita no eixo Rio-SP – a temática não é tão popular. Mesmo assim, a diretora chegou a fazer cinco peças baseada na obra da médium Zibia Gasparetto, dentre elas O Amor Venceu, encenada na Paraíba em 2009 e 2015.

Leia Mais

Relacionadas