quarta, 22 de novembro de 2017
Espetáculo
Compartilhar:

Estudo de Cena chega a PB e apresenta o espetáculo Guerras Desconhecidas

Assesoria / 22 de outubro de 2015
Foto: Divulgação
Após se apresentar no Estado da Bahia, passando pelas cidades de Juazeiro, Canudos, Uauá e Euclides da Cunha, a Companhia Estudo de Cena chega ao Estado da Paraíba. Com um espetáculo de teatro feito em uma barraca de ferro e lona, que será montada em lugares diferentes como praças e feiras livres, grupo visita as cidades de Alagoa Grande, Itabaiana e João Pessoa.

Com o espetáculo Guerras Desconhecidas, o grupo convida o público paraibano para uma viagem no tempo, relembrando a história de três guerras brasileiras que não aparecem na história oficial de nosso país. Lampião, Zapata, Pantera Negra e Santa Dica, grandes líderes latino-americanos, remetem o público a importantes conflitos brasileiros do século vinte, e dessa forma, o grupo revisita a verdadeira história brasileira e visita a região onde alguns conflitos muito importantes ocorreram.

A BARRACA DE CENA NA PARAÍBA

Uma estrutura de ferro e lona, um teatro mambembe, de trinta e seis metros quadrados, com cenas que remetem o público a história, por muitas vezes esquecida, do Brasil. Essa é a Barraca de Cena, espaço criado pela Companhia Estudo de Cena, que acaba de realizar uma série de apresentações no Estado da Bahia, passando pelas cidades de Juazeiro, Canudos, Uauá e Euclides da Cunha, e agora chega ao Estado da Paraíba, com apresentações nas cidades de Alagoa Grande, Itabaiana e João Pessoa.

Criado em 2013, Guerras Desconhecidas, é um espetáculo de variedades, que tem como tema central conflitos sociais da história do Brasil, essas demonstrações coletivas de luta por uma vida digna e por respeito à diversidade cultural brasileira. A fonte de pesquisa dessas histórias foi o caderno “Guerras desconhecidas do Brasil” escrito pelo jornalista Leonencio Nossa e publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo em dezembro de 2010.

“O espetáculo vem no contra fluxo de uma ideia muito difundida que diz “que o povo brasileiro é pacífico, submisso, que não temos guerras em nossa história, que aqui as classes sociais convivem pacificamente”. Essas histórias demonstram exatamente o contrário e talvez, por isso, foram ofuscadas. O trabalho do jornalista Leonencio Nossa, é precioso nesse sentido, e por isso nós o escolhemos como base para esse espetáculo. Nossa história está repleta de demonstrações coletivas de resistência popular, frente ao modelo de progresso capitalista, e acabam demonstrando, além de nosso passado de luta, o desrespeito totalitário do ideário burguês, em não aceitar qualquer tipo de organização que fuja do modelo estabelecido. Isso em momentos de ditadura ou de democracia.” explica Diogo Noventa, diretor e dramaturgo da Companhia.

Contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz – FUNARTE/2014, o grupo se prepara para uma temporada passando por universidades, praças e feiras nordestinas típicas, de diversas cidades da Bahia e da Paraíba,  visitando lugares emblemáticos que foram referência para a composição desse projeto.

“Nosso teatro narra histórias de revoltas populares que não são lembradas pela história oficial do país, mas que pertencem ao imaginário coletivo de parte do povo brasileiro e retratam a diversidade de nossa cultura. Nesse contexto, esse projeto é um convite à memória social, para que através dela possamos refletir sobre o nosso presente.” – complementa Diogo Noventa.

O espetáculo Guerras Desconhecidas, apresenta ao público a história de três guerras brasileiras que não aparecem na história oficial de nosso país: a Guerra do Pau de Colher, a Guerra de São Bonifácio e a Guerra do Gatilheiro. O espetáculo é composto por diferentes recursos, com referência em jogos e brincadeiras populares, pantomimas e cenas muito poéticas.

O espetáculo é dividido em atos, que são apresentados por líderes latino-americanos, que povoam o imaginário social de nosso continente: Lampião, Zapata, Pantera Negra e Santa Dica.

Relacionadas