terça, 16 de julho de 2019
Espetáculo
Compartilhar:

Espetáculo ‘503’ estreia com encenação no Núcleo de Arte Contemporânea

André Luiz Maia / 10 de novembro de 2016
Foto: João Lira/Divulgação
Um apartamento, a sensação de perda. Ajudando a exprimir os sentimentos, recortes de textos de Benjamin Bradford, Daniel Porpino, Eduardo Robertain, Jean Cocteau, Pier Paolo Pasolini e Dalton Trevisan. É o espetáculo 503, dirigido por João Paulo Soares, que estreia hoje em João Pessoa, às 20h. Amanhã, há uma sessão no mesmo horário.

O local escolhido para ambientar a peça é atípico. Ao invés de um teatro, João escolheu o Núcleo de Arte Contemporânea (NAC), prédio pertencente à UFPB localizado no centro da cidade. "Vi que o NAC estava abandonado e acreditei que ele se encaixava exatamente com a proposta da peça. Daí veio a ideia de usá-lo", explica o diretor João Paulo Soares.

O trabalho surge de encontros do diretor João Paulo Soares com alunos de cursos na área de teatro que ele vem realizando em João Pessoa e também da vivência na cidade com o Piollin Grupo de Teatro, o qual integra.

No elenco, estão os atores Buda Lira, Daniel Porpino, Geyson Luiz, Paulo Henrique Pontes e a participação da atriz Vanessa Bueno. Bueno, inclusive, fez parte do despertar do espetáculo. "Ela mora no Rio de Janeiro e uma vez, quando fui visitá-la, fui ao seu apartamento. Ela estava passando por grandes transformações da vida, mas o que me chamou primeiro a atenção foi o apartamento 503, de sua vizinha, que tinha uma espécie de olho mágico muito peculiar. Aquele ambiente me deu inspiração para desenvolver essa ideia", comenta. Depois, ele passou a reunir fragmentos de textos, alguns que já estavam em sua cabeça.

O roteiro contou com a ajuda Buda Lira, Paulo Henrique e Daniel Porpino, que também escreveu uma dramaturgia própria. "O papel dele tem uma narrativa mais linear. Ele vai conduzindo a história e guiando o público, que se move com o elenco por três ambientes do NAC", revela João Paulo.

Ele é ator e diretor de teatro, formado pela Faculdade da Cidade, no Rio de Janeiro, com cursos no Greenhill College e no Stanmore College, em Londres. No currículo, já participou de projetos junto ao Grupo Piollin, na peça Senhora dos Afogados, de Nelson Rodrigues, com direção de Enrique Diaz, e também desenvolvou trabalhos no cinema, como o longa Folia de Reis, com direção de Rosemberg Cariry. Dirige os espetáculos O Reino de Ariano, com o ator Luiz Carlos Vasconcelos, e Razão para Ficar, monólogo de Ana Marinho.

‘503’

Direção: João Paulo Soares

Hoje e amanhã, às 20h.

Núcleo de Arte Contemporânea (R. das Trincheiras, 275, Centro, João Pessoa – 3221.9630).

Classificação: 16 anos. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Relacionadas