quarta, 03 de março de 2021

Cinema
Compartilhar:

Sessão do Tintin aborda o assunto em quatro filmes

André Luiz Maia / 28 de junho de 2017
Foto: Divulgação
Desde os primórdios, a humanidade busca transmitir seu conhecimento acumulado e, mais ainda, suas memórias. Pela oralidade, as pinturas rupestres, a escrita cuneiforme, um longo caminho até chegar até a nuvem de arquivos. O audiovisual, no entanto, se tornou nos últimos cem anos uma ferramenta-chave na preservação da memória. E é sobre isso que os curtas-metragens da sessão de hoje do Tintin Cineclube abordam.

Seja um familiar distante, uma cidade abandonada, um amor do passado ou a cultura de um povo, tudo isso pode ser encontrado em registros que eternizam momentos e formas de se viver em um determinado momento da História, a coletiva com "h" maiúsculo, ou das histórias, que dizem respeito à particularidade dos indivíduos.

Hoje, são exibidos Mauro em Caiena, de Leonardo Mouramateus, Desterro, de Cláudio Marques e Marília Hughes, Ovos de Dinossauro na Sala de Estar, de Rafael Urban, e Abigail, de Isabel Penoni e Valentina Homem. Em Ovos de Dinossauro..., é retratada a história da alemã Ragnhild Borgomanero, de 77 anos, que estudou fotografia digital e edição para manter viva a memória de seu falecido esposo, Guido, com quem reuniu a maior coleção particular de fósseis da América Latina.

Relacionadas