terça, 21 de novembro de 2017
Cinema
Compartilhar:

Mulheres animadas: elas abrem espaço e mostram talento no Tintin Cineclub

Renata Escarião / 30 de março de 2016
Foto: Arquivo
 

Marcando o encerramento do ciclo temático dedicado ao universo feminino que o Tintin Cineclube apresentou ao longo do mês de março, a sessão de hoje, O Mundo Animado das Mulheres, apresenta curtas-metragens de animação dirigidos por mulheres do Brasil, da República Tcheca e do Canadá. A programação do Tintin acontece toda quarta-feira, no Cine Bangüê.

Para conhecer um pouco dessas produções, um recorte em que se pode experimentar o talento das animadoras e a diversidade das técnicas de animação utilizadas nos filmes - como desenho e pintura sobre fotografias, animação tradicional 2D e animação em recorte de papel - o Tintin exibe quatro produções: When the Day Breaks (1999), de Amanda Forbis & Wendy Tilby, Tram (2012), de Michaela Pavlátová, Guida (2014), de Rosana Urbes, The Me Bird (2013), de Maria Ilka Azêdo e Gabriel Kempers. A classificação indicativa é 16 anos.

O primeiro curta, de 9 minutos, é uma animação canadense em desenho e pintura sobre fotografias que foi indicado ao Oscar de curta de animação em 2000. As animadoras foram indicadas ao Oscar da categoria uma segunda vez, por Wild Life.

Depois de testemunhar a morte acidental de uma desconhecida, Ruby procura apoio emocional na cidade à sua volta, e o encontra em locais surpreendentes. Buscando humor e trabalho nos detalhes, o curta fala da esperança e fragilidade de um dia, sugerindo que estes momentos são o que irão formar nossas memórias, que o cotidiano é o que nos define e nos liga.

Tram é uma animação tcheca de 8 minutos. A animadora Michaela Pavlátová também já foi indicada ao Oscar, por Reci, Reci, Reci... ("palavras, palavras, palavras", em tradução literal) em 1991. Em Tram, ela, acostumada a tratar de temas considerados tabus, aborda a rotina e os desejos de uma condutora de bonde, que se entrega a fantasias imaginárias com seus passageiros.

O curta foi feito como parte do projeto Sexperiencies, produzido pela Association Beaumarchais e Procirep, que realizou uma coleção de curtas que exploram a sexualidade feminina.

O brasileiro Guida também é uma animação 2D. Toda desenhada a mão em mais de oito mil aquarelas, já ganhou prêmio nacionais e internacionais, entre eles, cinco categorias do Anima Mundi 2014.

Foi de uma das experiências que a animadora Rosana Urbes teve em seus seis anos nos estúdios Disney que nasceu Guida. A personagem é uma doce senhora que há 30 anos trabalha como arquivista no fórum da cidade e tem sua rotina modificada ao se deparar com um anúncio para aulas de modelo vivo em um centro cultural. Na Disney, Rosana participou das produções de filmes como Mulan (1998), Tarzan (1999) e Lilo e Stitch (2002).

Através da sensibilidade criativa da personagem, o filme propõe uma reflexão sobre a retomada da inspiração artística, a arte como agente transformador e o conceito do belo. The Me Bird, com apenas 2 minutos, é uma animação em recortes de papel, um vídeo-poema que interpreta livremente “O pássaro eu”, de Pablo Neruda. Os quadros descritos como prisão, e o passado como um fardo, servem como pano de fundo para a história de uma bailarina em uma viagem rumo à liberdade. A experimentação artística recria a tempestade que conecta pássaro e dançarina.

Um ambiente historicamente povoado por artistas homens, a animação é outra área do cinema em que as mulheres vêm abrindo espaço. Não só nos curtas, mas também nos longas, como Brenda Chapman, primeira mulher a dirigir um longa animado para um grande estúdio (O Príncipe do Egito, 1998, para a DreamWorks) e também a primeira a ganhar um Oscar de longa de animação (Valente, da Pixar, de 2012).

Tintin cineclube

Hoje, às 19h30

No Cine Bangüê (Espaço Cultural, R. Abdias Gomes de Almeida, 800, Tambauzinho, João Pessoa - https://www.facebook.com/funescgovpb).

Entrada franca.

Leia mais no Jornal Correio da Paraíba.

Relacionadas