sábado, 19 de setembro de 2020

Cinema
Compartilhar:

Kirk Douglas completa hoje 100 anos

Renato Félix / 09 de dezembro de 2016
Foto: Divulgação
"Esse é o meu filho Michael. Ele tem dois Oscars. Eu ainda tenho muito tempo...". Esse era Kirk Douglas, aos 86 anos, quando pai e filho apresentaram juntos o Oscar de melhor filme para Chicago, em 2003. O filho do trapeiro hoje completa 100 anos. Seu Oscar ainda não veio (ele já tinha um honorário desde 1996), mas sua carreira como ator e produtor não depende da estatueta para ser reconhecida como lendária.

Seu nome verdadeiro era bem diferente: Issur Danielovitch Demsky, filho nova-iorquino de imigrantes russos judeus (O Filho do Trapeiro é o nome de sua autobiografia, publicada em 1988). Da infância pobre, ele foi a um bom desempenho na escola, nos esportes e ao interesse por atuação.

Foi a passagem para o teatro, o rádio e os testes para o cinema, onde ele estreou em 1946. Em 1948, ele trabalhou em Estranha Fascinação, pela primeira vez ao lado de Burt Lancaster. Uma química tão boa que os dois atores contracenariam em sete filmes, entre eles o faroeste Sem Lei e Sem Alma (1957), como as lendas Doc Hollyday e Wyatt Earp.

O Invencível (1949) rendeu sua primeira indicação ao Oscar, como um boxeador pouco confiável. Ele voltaria a ser indicado no papel do produtor de cinema de Assim Estava Escrito (1952) e como Vincent Van Gogh em Sede de Viver (1956).

Outra de suas facetas é a de produtor. Fundou sua própria companhia em 1955, e foi ela que produziu suas duas colaborações com Stanley Kubrick: o drama de guerra político Glória Feita de Sangue (1957) e o épico romano Spartacus (1960).

No que diz respeito a este último, Kirk Douglas teve um papel fundamental para o fim de uma das mais asquerosas passagens da história de Hollywood: a perseguição aos comunistas, a reboque do macartismo que instaurou uma "lista negra" que proibia nomes que constavam nela de arranjar trabalho  no meio.

Kirk contratou Dalton Trumbo assim mesmo. E logo passou a exigir que o nomedele estvesse na tela e não um pseudônimo. Foi o começo do fim para a infame política que destruiu tantos.

Relacionadas