terça, 19 de janeiro de 2021

Cinema
Compartilhar:

Alice Através do Espelho’ estreia em JP, CG e Patos mantendo distância do livro

Renato Félix / 26 de maio de 2016
Foto: Divulgação
Quem viu o primeiro filme já sabe que, apesar dos títulos e dos personagens, a versão Tim Burton para a Disney de Alice no País das Maravilhas (2010) tem pouquíssimo a ver com a obra original de Lewis Carroll. É, na verdade, uma espécie de continuação não muito interessada no espírito nonsense original da obra e bem mais no potencial visual que o 3D poderia oferecer. Agora, sem Burton na direção (ele é creditado como produtor) e seis anos depois, chega a sequência: Alice Através do Espelho.

Mais uma vez o título só é usado porque é conhecido: na prática, a trama não tem quase nada a ver com a história original. Alguns dos personagens do livro inclusive já haviam sido usados na trama livre de 2010 (Tweedledum e Tweedledee), a Rainha Branca (Anne Hathaway), Jabberwocky.

Assim, no novo filme, o espelho é uma passagem para mais um retorno ao mesmo País das Maravilhas. Estão de volta os mesmos personagens: Johnny Depp como o Chapeleiro Maluco, Helena Bonham Carter como a rainha que mistura a de Copas (de País das Maravilhas) e a Vermelha (de Através do Espelho), Anne Hathaway como a Rainha Branca, Alan Rickman (em seu último filme) como a voz da Lagarta, Stephen Fry como o Gato de Cheshire.

Mia Wasikowska é novamente Alice, agora voltando de uma viagem pelo mar, em que seguiu os passos do pai como comerciante, após recusar um casamento arranjado no primeiro filme. Desta vez não é o coelho branco que guia Alice, mas a Lagarta fumante enigmática.

A missão é ajudar o Chapeleiro Maluco, que está ainda mais maluco do que o normal, após uma descoberta sobre o seu passado, e pode até perder a vida.

A trama implica uma viagem no tempo para antes dos eventos traumáticos que ameaçam o Chapeleiro. E, neste processo, também é descoberto os motivos da separação entre as rainhas.

O primeiro Alice foi um grande sucesso de bilheteria, passando a marca de US$ 1 bilhão em todo o mundo, mas no mínimo dividiu opiniões. Agora, a direção foi entregue a James Bobin (dos dois últimos Muppets) e o roteiro continua de Linda Woolverton (de A Bela e a Fera, 1991, O Rei Leão, 1994, e Malévola, 2014).

Relacionadas