domingo, 24 de janeiro de 2021

Cultura
Compartilhar:

Atriz Elizabeth Savala retorna à Paraíba com a peça ‘A.M.A.D.A.S’

Audaci Junior / 24 de março de 2017
Foto: Divulgação
“Um dia, você se olha no espelho e descobre que tudo caiu”, conta a atriz Elizabeth Savala sobre A.M.A.D.A.S. – Associação das Mulheres que Acordam Despencadas, monólogo que retorna à João Pessoa menos de um ano depois.

A sátira ao comportamento rígido da ditadura da beleza feminina terá duas apresentações no Teatro Paulo Pontes, amanhã, às 20h, e domingo, às 19h.

“A peça fala sobre tudo que nos acontece com a chegada da meia idade”, resume.

De acordo com a atriz, a peça escrita por Regiana Antonini com direção de Luiz Arthur Nunes apresenta Regina Antonia, uma mulher que acaba de completar 48 anos e, no dia anterior, encontra aquela amiga da adolescência.

“Exatamente aquela que era a gostosona da turma, aquela que ficava com todos os gatinhos que todas queriam ficar”, explica. “Agora, 20 anos depois, à custa de muito botox, silicone e academias de ginástica, parece ser de uma geração posterior a sua”.

Savala relembra que o estalo do "despencamento" aconteceu no seu aniversário de 51 anos, quando – ao acordar – foi ler o jornal e não conseguia fazê-lo sem os óculos.

Por ser um monólogo, A.M.A.D.A.S. – Associação das Mulheres que Acordam Despencadas promove o lado eclético de Savala: além de interpretar a Regina Antonia, a atriz com mais de quatro décadas de trajetória encarna outras tantas mulheres para criticar os padrões de belezas de hoje em dia, cada vez mais rígidos e fúteis.

Paulistana radicada no Rio de Janeiro desde os anos 1970, Elizabeth Savala afirma que o humor aproxima as pessoas e, desde criança, ela aprendeu a debochar de si mesma. “Isso é uma grande vantagem, pois ninguém vai debochar de você quando você já faz isso naturalmente”, garante.

Veterana dos palcos, da televisão e do cinema, Savala acha o teatro fundamental porque a cena não suporta engodos. Ali mesmo, na hora, ela vê se o público gostou ou não. “Não consigo ficar longe do teatro”.

Relacionadas