segunda, 14 de outubro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Verdades ditas e ‘engolidas’

26 de setembro de 2019
Diante de um plenário lotado por mães de bebês com microcefalia, a deputada estadual Doutora Paula não poupou críticas, não apenas a colegas parlamentares, mas ao poder público. Teve quem se encostasse na cadeira, e nem abrisse a boca. Quem se arrisca. Aplaudida pelas mães, que conhecem de perto as dificuldades para criar um filho com microcefalia, a parlamentar afirmou que “a culpa para essa realidade vivenciada hoje é dos prefeitos” que, por não ter, segundo ela, uma gestão planejada na área de saúde, no que se refere à prevenção e educação, permitiram o aumento no número de casos da dengue e, consequentemente, da chikungunya na Paraíba.

Para a deputada, crianças nasceram com microcefalia porque gestores não fizeram o dever de casa, não combateram o mosquito Aedes Aegypti em tempo hábil. Óbvio, que a população tem que fazer sua parte. “Discurso bonito não vai resolver o problema de uma mãe que vai cuidar do filho para o resto da vida. É preciso que o gestor tenha responsabilidade, de agora em diante”. Em discurso, Doutora Paula foi ainda mais contundente e defendeu uma lei que punisse os prefeitos, até mesmo com multas, caso crianças nascessem nos municípios com microcefalia. Não sei se seria uma viável e acredito que multa não vai impedir que a microcefalia avance por conta não apenas da dengue, mas de diversos fatores a serem levados em conta. Mas, que tem que ser feito algo, isso tem.

Doutora Paula acredita que, só assim, as administrações municipais se preocupariam mais com a questão E mais: “quantos anos estas mães terão pela frente de sofrimento, por irresponsabilidade de gestores?”, acrescentando que “o povo e as autoridades não podem se deixar serem vencidos por um mosquito”. Verdades ditas e ‘engolidas’ pelos presentes durante a audiência pública, realizada ontem na Assembleia Legislativa, para discutir a microcefalia na Paraíba.

Preparação para o 4.0

O empresário Francisco de Assis Benevides Gadelha foi reeleito ontem para comandar a Federação das Indústrias do Estado da Paraíba até 2023. O presidente disse que o objetivo da próxima gestão será preparar a indústria paraibana para a chamada revolução 4.0. Na composição escolhida, o empresário Roberto Cavalcanti também foi reeleito como delegado representante da Fiep junto a Confederação Nacional das Indústrias (CNI).

Defesa

Os deputados estaduais se reúnem hoje com o presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, para discutir a proposta do Judiciário de ‘agregação de comarcas’ em 16 municípios paraibanos. Os parlamentares vão defender que as comarcas continuem funcionando. Vamos aguardar!

No Sertão

O advogado Sidney Filho se uniu a população de Princesa Isabel para buscar solução que não seja a extinção de comarcas - a cidade perderia duas Varas. Para Sidney Filho, a extinção “se traduz como um verdadeiro retrocesso social para Princesa e toda a região que terão o seu acesso à prestação jurisdicional inibido e dificultado”.

Feridas abertas

A carta publicada pelo professor Rubens Freire expôs as feridas ainda bem abertas no PSB da Paraíba. Entre as revelações, Freire diz que “o processo foi péssimo, conduzido de forma imprópria pela presidência Nacional do Partido, com sintomas de golpe e intervencionismo”. Com isso, o professor e cabeça pensante do projeto girassol no Estado, afirmou não concordar com o processo, renunciando ao cargo no Diretório municipal e solicitando a desfiliação do partido.

Conciliação

De 4 a 8 de novembro acontece na Paraíba a 14ª Semana Nacional da Conciliação. Os diretores adjuntos do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do TJPB, juízes Antônio Carneiro, Bruno Azevedo e Fábio Leandro estiveram nas comarcas de Itabaiana, Guarabira e Sapé para verificar o funcionamento dos Centros de Solução de Conflitos e Cidadania para tratar dos preparativos.

Ouvidoria

O ouvidor-geral do TJPB, desembargador José Aurélio da Cruz vai participar hoje e amanhã, do 5º Encontro do Colégio Nacional de Ouvidores Judiciais na cidade de Natal. O evento contará com a presença de ouvidores dos 27 Tribunais de Justiça do país e dos Tribunais Regionais Federais e dos Tribunais Militares. O objetivo é compartilhar práticas, permitindo que se avalie a possibilidade e a necessidade da aplicação de rotinas nos tribunais.

Relacionadas